SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número9Depressão na esquizofrenia: prevalência e relação com a qualidade de vidaRelação entre índice ponderal ao nascer e excesso de peso corporal em jovens índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Resumo

SCHNEIDER, Maria Cristina et al. Raiva humana transmitida por caninos: situação atual na América Latina. Cad. Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.9, pp.2049-2063. ISSN 0102-311X.  https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000900013.

Os países da América Latina tomaram a decisão política de eliminar a raiva humana transmitida por cão até 2005, e o objetivo deste estudo é analisar o cumprimento desta meta. A situação epidemiológica e as ações de controle foram analisadas de forma desagregada dentro dos países, utilizando-se georreferenciamento da informação. Os 27 casos humanos relatados em 2003 ocorreram em cerca de 0,2% das unidades de segundo nível geopolítico (municípios) da região. Esse dado sugere que a doença atualmente é muito localizada. Vários países não reportam mais transmissão de raiva em cães. Cerca de 1 milhão de pessoas são potencialmente expostas ao risco da raiva e recebem atendimento médico. Existem em média 34.383 (classe: 4.300-148.043) habitantes por posto de saúde com tratamento anti-rábico. São vacinados cerca de 42 milhões de cães anualmente, 70% deles no Brasil e México. A vigilância epidemiológica para a raiva foi considerada média pelos critérios estabelecidos no estudo, sendo enviada 0,05% da população canina estimada de amostras para diagnostico de raiva. Foi considerado que os países estão muito próximos de alcançar a meta.

Palavras-chave : Raiva; Cães; Vacinas Anti-Rábicas; Vigilância Epidemiológica.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons