SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número4Workshop de priorização de intervenções para o controle do mosquito Aedes aegypti na América Latina e no Caribe: diálogo de políticasPercepção de saúde/adoecimento associada a papéis de gêneros em mulheres em situação de deslocamento situadas em Medellín, Colômbia, 2013-2014 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Cadernos de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0102-311Xversão On-line ISSN 1678-4464

Resumo

REIS, Ana Maria; QUINTAL, Carlota  e  LOURENCO, Óscar. Problemas com bebida no passado coíbem consumo atual?. Cad. Saúde Pública [online]. 2019, vol.35, n.4, e00025618.  Epub 08-Abr-2019. ISSN 0102-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00025618.

O uso prejudicial de álcool figura entre os cinco principais fatores de risco para doença, deficiência e óbito em todo o mundo. Contudo, nem todos os indivíduos que consomem álcool durante suas vidas são drogaditos e nossa premissa é que a drogadição pressupõe um fluxo de consumo que produz efeitos danosos. O objetivo deste artigo foi avaliar se problemas autoavaliados com bebida no passado - nossa medida de consumo danoso de álcool - afetam padrões atuais de consumo de álcool. Esperávamos que problemas no passado poderiam ter um efeito positivo sobre o consumo atual de álcool. Usando dados portugueses do Inquérito de Saúde, Envelhecimento e Aposentadoria na Europa (SHARE, em inglês), aplicamos um modelo ordered probit, dada a natureza ordinal da variável dependente. Nossa variável dependente mede o consumo atual usando categorias listadas em ordem ascendente de frequência de ingestão de álcool (de menos de uma vez por mês até consumo diário). Nossos resultados sugerem que o consumo danoso de álcool no passado é um determinante importante do consumo atual de álcool. Problemas autoavaliados com bebida no passado tiveram um efeito positivo nas primeiras cinco categorias mais baixas de frequência atual de consumo de álcool - menos de uma vez por mês até seis dias por semana. Portanto, para reduzir doenças não-transmissíveis preveníveis relacionadas ao consumo de álcool, as políticas públicas devem levar em consideração as decisões de indivíduos relacionadas ao seu consumo de álcool durante suas vidas, e políticas específicas devem ser dirigidas a indivíduos com problemas passados com bebida.

Palavras-chave : Consumo de Bebidas Alcoólicas; Alcoolismo; Assunção de Riscos; Política de Saúde.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )