SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 número7Revisões femorais de artroplastias totais do quadril com afrouxamentos assépticos e fraturas periprotéticas: análise de 49 casos tratados com haste de WagnerEnsaio mecânico da resistência ao impacto do cimento ósseo puro e associado a duas drogas anestésicas locais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ortopedia

versão impressa ISSN 0102-3616versão On-line ISSN 1982-4378

Resumo

LARA, Luiz Carlos Ribeiro et al. Avaliação funcional e radiográfica do pé torto congênito tratado cirurgicamente. Rev. bras. ortop. [online]. 2007, vol.42, n.7, pp.217-224. ISSN 0102-3616.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162007000700006.

OBJETIVO: Analisar aspectos radiográficos de pés tortos congênitos idiopáticos operados e confrontá-los com os resultados cirúrgicos obtidos. MÉTODOS:A amostra constitui-se de 68 pés tortos congênitos operados por liberações póstero-média e/ou lateral das partes moles. A idade no momento da cirurgia variou de seis a 24 meses e o tempo de seguimento do pós-operatório foi de um ano a 16 anos, com média de 4,87 anos. No momento da avaliação dos resultados foram realizadas radiografias dos pés em ântero-posterior e perfil com carga e traçados os ângulos talocalcaneano, talo-1º metatarsal e calcâneo-5º metatarsal. Analisou-se também a relação percentual de posteriorização da fíbula sobre a tíbia e a posição do navicular em relação ao tálus nos dois planos radiográficos. RESULTADOS: Houve 90,8% de resultados satisfatórios e 9,2% insatisfatórios. A média do ângulo talocalcaneano na incidência em ântero-posterior foi de 23,20º e, no perfil, de 23,26º, sem significância estatística com os resultados. O ângulo talo-1º metatarsal teve média de 4,84º e o calcâneo-5º metatarsal, média de 7,70º; ambos correlacionaram-se com os resultados (P = 0,003). O percentual de posteriorização da fíbula sobre a tíbia teve valor médio de 60,67% (P = 0,007). CONCLUSÕES: 1ª) os ângulos talo-1º metatarsal e calcâneo-5º metatarsal nas radiografias em ântero-posterior, quando maiores do que 10º e 12º, respectivamente, mostraram significância com os pés tortos que apresentaram resultados insatisfatórios; 2ª) quanto melhor o alinhamento do navicular em relação ao tálus, nas radiografias em ântero-posterior e no perfil, melhor foi o resultado; 3ª) a relação percentual de posteriorização da fíbula sobre a tíbia foi maior nos pés com resultados insatisfatórios; 4ª) o ângulo talocalcaneano na incidência em ântero-posterior e no perfil não se mostrou como bom parâmetro na avaliação dos resultados do tratamento do pé torto congênito idiopático.

Palavras-chave : Pé torto [radiografia]; Pé torto [cirurgia]; Deformidades congênitas do pé [radiografia]; Deformidades congênitas do pé [cirurgia]; Resultado de tratamento.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons