SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número3Efeitos de panfletos informativos sobre a Aids em adolescentes índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Psicologia: Teoria e Pesquisa

versão impressa ISSN 0102-3772

Resumo

MORAES, Antonio Bento Alves de; AMBROSANO, Gláucia Maria Bovi; POSSOBON, Rosana de Fátima  e  COSTA JUNIOR, Áderson Luiz. Avaliação do medo em crianças brasileiras: a relevância no medo odontológico. Psic.: Teor. e Pesq. [online]. 2004, vol.20, n.3, pp. 289-294. ISSN 0102-3772.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722004000300011.

O medo de dentista pode aumentar a duração do tratamento odontológico e produzir resultados aquém do esperado. As crianças exibem comportamentos de fuga ou esquiva que podem estar relacionadas à situação de tratamento odontológico. Este estudo investigou as principais fontes de medo, inclusive medo de dentista, em crianças, utilizando-se uma versão adaptada do FSSC-R. O instrumento foi aplicado a 549 crianças divididas em três grupos: G1 - crianças de escola particular; G2 - crianças de escola pública e; G3 - crianças de escola pública que foram avaliadas durante tratamento odontológico. Observaram-se escores mais elevados de medo para meninas, quando comparados a meninos. Considerando todos os grupos, a "injeção" foi o quinto estímulo de medo para G3, o oitavo para o G1 e o décimo quarto para o G2. Itens de relações familiares, como "discussão entre pais", "pais gritam com você" e "ouvindo meus pais discutindo", foram considerados geradores de medo, sugerindo que conflitos familiares podem contribuir para o desenvolvimento de transtornos emocionais das crianças.

Palavras-chave : medo de dentista; odontopediatria; crianças; FSSC-R.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês