SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número4Analgesia infiltrativa na videocolecistectomia: ensaio clínico randomizadoAdenocarcinoma versus carcinoma epidermóide: análise de 306 pacientes em hospital universitário índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

versão impressa ISSN 0102-6720

Resumo

SAMEA, Renato  e  LOURENCO, Laercio Gomes. Comparação dos tratamentos do carcinoma espinocelular avançado do esofago pela teleterapia exclusiva e pela teleterapia associada à braquiterapia. ABCD, arq. bras. cir. dig. [online]. 2011, vol.24, n.4, pp.267-271. ISSN 0102-6720.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202011000400004.

RACIONAL: O câncer do esôfago ainda constitui neoplasia de difícil tratamento e de prognóstico muito ruim. OBJETIVO: Comparar a resposta do tratamento exclusivo com teleterapia isolada versus teleterapia associada à braquiterapia endoluminal de doentes portadores de carcinoma espinocelular avançado do esôfago. MÉTODO: Foram estudados 49 doentes portadores de carcinoma espinocelular avançado do esôfago médio em estádio clínico III (TNM). Os doentes foram divididos em dois grupos de doentes. O primeiro grupo foi submetido à teleterapia exclusiva com acelerador linear de partículas, dose média de 6000 cGy e o segundo à teleterapia na dose de 5040 cGy associada à braquiterapia endoluminal com Iridium 192 na dose de 1500 cGy. A braquiterapia foi iniciada uma a duas semanas após o término da teleterapia e dividida em três aplicações semanais de 500 cGy. Foram avaliadas as variáveis idade, sexo, raça, hábitos (tabagismo e etilismo), índice de massa corpórea (IMC), complicações com o tratamento, benefícios (melhora da dor e satisfação alimentar) e sobrevivência. RESULTADOS: Os resultados quanto a qualidade de vida (satisfação alimentar, paliação da disfagia e dor) foram melhores no grupo submetido à teleterapia associada a braquiterapia. A sobrevivência foi maior no grupo de teleterapia associada a braquiterapia. CONCLUSÃO: Apesar do índice de cura do câncer espinocelular do esôfago ser quase nulo quando tratado com irradiação isolada, esta terapêutica constitui-se em uma forma de tratamento paliativo para grande parte dos doentes em que existe contra-indicação cirúrgica.

Palavras-chave : Neoplasias esofágicas; Esôfago; Radioterapia; Braquiterapia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons