SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número4Comparação dos tratamentos do carcinoma espinocelular avançado do esofago pela teleterapia exclusiva e pela teleterapia associada à braquiterapiaAvaliação da expressão imunoistoquímica da proteína p16INK4a no adenocarcinoma de esôfago índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

versão impressa ISSN 0102-6720

Resumo

TERCIOTI-JUNIOR, Valdir; LOPES, Luiz Roberto  e  COELHO-NETO, João de Souza. Adenocarcinoma versus carcinoma epidermóide: análise de 306 pacientes em hospital universitário. ABCD, arq. bras. cir. dig. [online]. 2011, vol.24, n.4, pp.272-276. ISSN 0102-6720.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202011000400005.

RACIONAL: A literatura médica tem registrado aumento progressivo e significativo da prevalência do adenocarcinoma do esôfago nos últimos anos e este fato tem importância epidemiológica nos tratamentos a serem instituídos, na evolução e prognóstico dos doentes. OBJETIVO: Analisar dados epidemiológicos dos carcinomas epidermóides e adenocarcinomas. MÉTODOS: Estudo retrospectivo dos tumores de esôfago em hospital universitário analisando a prevalência dos carcinomas epidermóides e adenocarcinomas, suas respectivas localizações, tipos histopatológicos, os hábitos, as características de cor, sexo, idade e procedência dos doentes. Foram revistos os prontuários dos doentes operados e tratados por adenocarcinomas e carcinomas epidermóides do esôfago no período de 1983 a 2010. RESULTADOS: Foram estudados 306 doentes assim distribuídos: 192 (62,7%) portadores de carcinoma espinocelular e 114 (37,3%) de adenocarcinoma de esôfago. Todos foram submetidos à ressecção cirúrgica (esofagectomia) com intenção curativa. Entre os casos com carcinoma espinocelular os dados obtidos foram: 80,7% brancos, 11,5% pardos, 7,8% negros, 88,0% do gênero masculino, 12,0% do feminino, média de idade 54,7 anos, 88,0% tabagistas e 77,7% etilistas. Entre os doentes com adenocarcinoma os dados obtidos foram: 92,1% brancos, 6,1% pardos, 1,8% negros, 85,1% homens, 14,9% mulheres, média de idade 57,9 anos, 66,7% tabagistas e 45,6% etilistas. CONCLUSÃO: O adenocarcinoma de esôfago tem apresentado incidência mais elevada nos últimos anos e este fato tem importância epidemiológica, nos tratamentos a serem instituídos, na evolução e prognóstico dos doentes.

Palavras-chave : Neoplasias esofágicas; Neoplasias de células escamosas; Adenocarcinoma; Esofagectomia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf epdf ) | Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons