SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue3ESTIMATING BASAL ENERGY EXPENDITURE IN LIVER TRANSPLANT RECIPIENTS: THE VALUE OF THE HARRIS-BENEDICT EQUATIONPYOGENIC LIVER ABSCESS: DIAGNOSTIC AND THERAPEUTIC MANAGEMENT author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

Print version ISSN 0102-6720On-line version ISSN 2317-6326

Abstract

ZANCHET, Marcos Vinícius; SILVA, Larissa Luvison Gomes da; MATIAS, Jorge Eduardo Fouto  and  COELHO, Júlio Cezar Uili. BIÓPSIA HEPÁTICA PÓS-REPERFUSÃO E SUA UTILIZAÇÃO NA PREDIÇÃO DA MORTALIDADE E DA DISFUNÇÃO HEPÁTICA PÓS-TRANSPLANTE. ABCD, arq. bras. cir. dig. [online]. 2016, vol.29, n.3, pp.189-193. ISSN 0102-6720.  http://dx.doi.org/10.1590/0102-6720201600030014.

Racional:

A evolução dos pacientes após transplante hepático é complexa e caracterizar o risco para complicações nem sempre é fácil. Nesse contexto, a biópsia hepática pós-reperfusão é capaz de retratar alterações de importância prognóstica.

Objetivo:

Avaliar os resultados no primeiro ano após transplante hepático, correlacionando as alterações histológicas à biópsia hepática pós-reperfusão com a sobrevida, a disfunção e o não-funcionamento primário do enxerto.

Método:

Dos 377 transplantes ocorridos de 1996 a 2008, 164 pacientes foram selecionados para estudo. Os seguintes desfechos clínicos foram registrados: mortalidade em 1, 3, 6 e 12 meses, disfunção do enxerto em graus variados e o não-funcionamento primário do enxerto. As biópsias pós-reperfusão foram examinadas por um patologista sem conhecimento dos resultados. As seguintes variáveis histológicas foram avaliadas: alterações isquêmicas, congestão, esteatose, exsudato neutrofílico, infiltrado monomorfonuclear e necrose.

Resultados:

As variáveis associadas com aumento da mortalidade foram: esteatose (p=0.02209), infiltrado monomorfonuclear (p=0.03935) e necrose (p<0.00001). O infiltrado neutrofílico reduziu a mortalidade neste estudo (p=0.00659). O não-funcionamento primário do enxerto mostrou associação significativa (p<0.05) com a necrose, a esteatose e com o infiltrado monomorfonuclear.

Conclusão:

A biópsia hepática pós-reperfusão é ferramenta útil em prever complicações após o transplante hepático.

Keywords : Biópsia Hepática; Reperfusão; Transplante Hepático; Disfunção Primária do Enxerto; Complicações; Sobrevida..

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )