SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue1ASSOCIATION OF INTERLEUKIN-10 -592A>C AND -819T>C POLYMORPHISMS WITH GASTRIC CANCER RISK: A SYSTEMATIC REVIEW AND META-ANALYSIS OF 44 CASE-CONTROL STUDIESPANCREATIC NEUROENDOCRINE TUMORS: SURGICAL RESECTION author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

Print version ISSN 0102-6720On-line version ISSN 2317-6326

Abstract

RODRIGUES, João Bernardo Sancio Rocha et al. REDUÇÃO TUMORAL PRÉ-OPERATÓRIA DO GIST GÁSTRICO: A IMPORTÂNCIA DA TERAPIA NEOADJUVANTE. ABCD, arq. bras. cir. dig. [online]. 2019, vol.32, n.1, e1427.  Epub Feb 07, 2019. ISSN 2317-6326.  https://doi.org/10.1590/0102-672020180001e1427.

Introdução:

O tumor estromal gastrintestinal (GIST) gástrico é neoplasia que cursa, por vezes, com apresentação assintomática, se manifestando como massa abdominal, relacionada a casos mais avançados. Esses, por sua vez, exigem tratamento com operações maiores e que cursam com mais alta morbimortalidade.

Objetivo:

Revisar e atualizar o tratamento do GIST gástrico, com enfoque na relevância do tratamento neoadjuvante.

Método:

Revisão da literatura utilizando a base de dados Medline/PubMed. Utilizaram-se os seguintes descritores: gastrointestinal stromal tumors, neoadjuvant therapy, imatinib mesylate e molecular targeted therapy. Dos artigos selecionados, 20 foram incluídos.

Resultados:

O tratamento cirúrgico é pilar fundamental para a cura do GIST. Entretanto, após a introdução do mesilato de imatinibe, classicamente utilizado como terapia adjuvante, houve mudança no manejo do GIST, permitindo aumento da sobrevida e diminuição da recorrência. A aplicação como terapia neoadjuvante é mais recente, e visa evitar procedimentos maiores sem, no entanto, prejudicar o resultado oncológico.

Conclusão:

A ressecção cirúrgica possui papel bem estabelecido no tratamento do GIST, inclusive com abordagem laparoscópica. O tratamento adjuvante com mesilato de imatinib, durante os primeiros três anos após a operação, mostra-se como opção segura para casos com elevado risco de recidiva. A terapia neoadjuvante é opção promissora para casos de tumor localmente avançado, permitindo ressecções menores e com menor morbimortalidade operatória.

Keywords : Tumores do estroma gastrointestina; Terapia neoadjuvant; Mesilato de imatini; Terapia de alvo molecula; Quimioterapia adjuvant.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )