SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue40Relatives or strangers? The effect of the relationship between the perpetrators and victims of rape on the processes of the criminal justice systemA "most interesting" dialogue: Roger Bastide and Modernism author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Ciências Sociais

Print version ISSN 0102-6909

Abstract

DOMINGUES, José Maurício. Desenvolvimento, modernidade e subjetividade. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 1999, vol.14, n.40, pp. 83-91. ISSN 0102-6909.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091999000200007.

O tema da modernidade foi central para a obra de Costa Pinto, em dois registros. Um, mais evidente, implicava uma recusa da expressão, que lhe servia para conceituar um tipo de evolução histórica e social que ele rejeitava como modelo e telos para o Brasil, caracterizando-se pela adoção de padrões de consumo, de comportamento, de instituições, valores e idéias das sociedades mais avançadas, sem importar necessariamente em transformações reais da estrutura econômica e social. Havia, porém, uma outra forma de conceber a modernidade, que Costa Pinto nomeia, muito mais positivamente, de "desenvolvimento", inclusivo e ampliador de bem-estar para toda a população, que produziria a passagem para uma outra "estrutura social". Enquanto a "modernização" seria por princípio não planificável, o desenvolvimento requereria o contrário, tendo o Estado em seu centro. Argumentar-se-á neste artigo que essa idéia de desenvolvimento, embora datada conceitualmente, ainda é em parte válida. É preciso, contudo, rever sua concepção geral de modernização e, no lugar de pensar o Estado como o grande agente da modernização, vê-lo como uma dentre as subjetividades coletivas que devem impulsionar o processo de desenvolvimento.

Keywords : Desenvolvimento; Modernidade; Costa Pinto; Subjetividade coletiva.

        · abstract in English | French     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese