SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número55Evaristo de Moraes Filho e a maioridade dos trabalhadores brasileiros índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ciências Sociais

versão impressa ISSN 0102-6909versão On-line ISSN 1806-9053

Resumo

DUARTE, Luiz Fernando Dias. A pulsão romântica e as ciências humanas no ocidente. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2004, vol.19, n.55, pp.5-18. ISSN 1806-9053.  https://doi.org/10.1590/S0102-69092004000200001.

A cultura ocidental moderna articula-se em torno da tensão entre um universalismo primordial e o seu constante contraponto romântico. O espírito científico é uma das manifestações fundamentais da disposição universalista, tendo cabido ao espírito romântico criticá-lo e modulá-lo em sentidos e direções inicialmente insuspeitados. A emergência das "ciências humanas" (originalmente concebidas sob a forma das Geisteswissenschaften ou "ciências do espírito") foi um dos resultados dessa tensão, impondo uma concepção de realidade e de conhecimento muito diferente da que tinha prevalecido na orientação universalista originária. Os temas da "diferença", da "totalidade", da "singularidade", do "fluxo", da "pulsão", da "experiência" e da "compreensão" instigaram ou desafiaram todos os grandes pais fundadores das ciências humanas - com resultados muito diversos - e continuam a operar na dinâmica do campo, seja como argumento instaurador de toda pesquisa antropológica, seja como veículo das especulações ditas "pós-modernas". O presente artigo trata da sua explicitação e esclarecimento.

Palavras-chave : Romantismo; Ciências Humanas; Universalismo; Individualismo; Pós-Modernismo.

        · resumo em Inglês | Francês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons