SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue2A hermenêutica de Wilheim Dilthey e a reflexão epistemológica nas ciências humanas contemporâneasA críticada razão utilitária e a fundamentação ontológica das escolhas metodológicas no paradigma da dádiva author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sociedade e Estado

Print version ISSN 0102-6992

Abstract

BRUSEKE, Franz Josef. A descoberta da contingência pela teoria social. Soc. estado. [online]. 2002, vol.17, n.2, pp. 283-308. ISSN 0102-6992.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922002000200004.

Historicamente, a contingência é pensada por Aristóteles, pela primeira vez, no seu texto peri hermeneias onde o filósofo introduz o conceito endechómenon, traduzido mais tarde como contingência. A descoberta da contingência reflete um novo estado de espírito nas obras de Weber, Parsons e Luhmann como na filosofia ocidental em Husserl, Heidegger, Camus, Sartre e outros, que se dão conta da dramaticidade das relações e fenômenos contingentes. Apesar da longa tradição da consciência da contingência no pensamento ocidental, é o advento do "pós-modernismo", relativamente tarde, que marca sua saída da latência. Autores como Lyotard, Maffesoli e Bauman exploram a descoberta da contingência no campo da teoria social e mostram que o mundo é necessariamente como é mas, também, poderia ser diferente. Nossa hipótese é que o caráter altamente contingente da técnica moderna, na medida em que esta penetra cada vez mais a sociedade contemporânea, afeta decisivamente o homem e seu modo de viver no mundo; desta maneira o problema da contingência ganha relevância sociológica.

Keywords : contingência; modernidade; pós-modernidade; técnica; teoria sociológica.

        · abstract in English | French     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese