SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue3Contemporary challenges of the construction of the citizenship in Brazilian metropolisDa ordem. Da cidade. Da literatura: personagens à beira do "ruim do mundo" author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sociedade e Estado

Print version ISSN 0102-6992

Abstract

SILVA, Luiz Antonio Machado da  and  LEITE, Márcia Pereira. Violência, crime e polícia: o que os favelados dizem quando falam desses temas?. Soc. estado. [online]. 2007, vol.22, n.3, pp. 545-591. ISSN 0102-6992.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922007000300004.

O artigo baseia-se em duas pesquisas qualitativas em favelas cariocas, especialmente em uma de suas atividades, aproximadamente 50 horas de dinâmica com 15 grupos focais (envolvendo 150 moradores de mais de 40 favelas). Designou-se de "coletivos de confiança" os grupos focais compostos a partir de relacionamento anterior dos participantes com algum dos pesquisadores, capaz de, através do conhecimento pessoal, gerar alguma confiança prévia. Pensada com vistas a minimizar os prováveis efeitos de uma "lei do silêncio" imposta pelos agentes da violência nessas localidades, esta forma de recrutamento demonstrou ter sido adequada. O texto analisa os enunciados colhidos durante os debates, claramente concentrados nas diferentes modalidades de presença e atuação dos bandos de criminosos e das forças policiais nas favelas cariocas. Sustenta que, menos que questionar a violência criminal e policial como um todo, eles expressam intensa preocupação com algumas de suas manifestações, aquelas que impedem o prosseguimento das rotinas diárias. Sem ser diretamente tematizado, este é o horizonte de atenção que organiza todo o discurso crítico "para fora" das favelas, bem como as atitudes e condutas nos locais de moradia. Os autores avançam um pouco mais, argumentando que, em suas descrições e denúncias, os moradores demonstram não lidar da mesma maneira com todas as formas de desestabilização de suas rotinas, evitando homogeneizar os responsáveis. Assim é que, de um lado, a violência deflagrada durante as famosas "operações" policiais e sempre presente na arbitrariedade da conduta regular desses agentes aparece associada ao seu caráter quase totalmente imprevisível. De outro lado, quando se trata da violência envolvida nas práticas dos traficantes, com os quais os moradores são obrigados a compartilhar o mesmo território, há muitos relatos de tentativas (bem e mal/sucedidas) de redução da imprevisibilidade do fluxo da vida local. Isto ocorre por meio do ajustamento das condutas a um cálculo - inviável e/ou ineficaz no caso da ação policial - dos riscos envolvidos nesta convivência forçada. Este, tornando "administrável" uma pequena porção da violência na localidade, permite reabsorvê-la como a parte "extraordinária" das rotinas "ordinárias".

Keywords : violência; crime; polícia; rotina; risco; sociabilidade.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese