SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 issue4Surgical treatment of congenital mitral stenosis: medium-term results author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular

Print version ISSN 0102-7638

Abstract

SOUZA, Domingos S. R. et al. Preparo da veia safena na cirurgia de revascularização miocárdica: uma nova técnica -"no touch"- que mantém a parede da veia íntegra e proporciona uma alta perviabilidade imediata. Rev Bras Cir Cardiovasc [online]. 2003, vol.18, n.4, pp. 303-311. ISSN 0102-7638.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382003000400003.

OBJETIVO: O objetivo deste trabalho é apresentar uma nova técnica "no touch" de preparo da veia safena e sua importância clínica. Esta nova técnica consiste na retirada da veia safena do seu leito, juntamente com um pedículo de tecido adiposo, protegendo a veia contra espasmos e, conseqüentemente, da necessidade de distendê-la durante a operação. MÉTODO: O estudo foi realizado em dois tempos: 1) Inicialmente, foi realizado um estudo prospectivo e randomizado, envolvendo 156 pacientes que foram submetidos à operação de revascularização miocárdica. Neste estudo nós comparamos a técnica "no touch" (NT) com duas outras: a convencional (C) e a intermediária (I). Foi feita uma avaliação detalhada da morfologia endotelial, utilizando a microscopia eletrônica, enquanto que a perviabilidade das pontes foi determinada com um exame angiográfico executado num período médio de 18 meses após a operação. 2) Finalmente, a enzima óxido nítrico síntase (NOS) foi identificada com ajuda do estudo imunohistoquímico e também pela localização auto-radiográfica de (3H)-L- Nitro-Arginina (NOARG). RESULTADOS: A avaliação morfológica mostrou integridade endotelial de 97% nas veias que foram tratadas pela técnica NT; enquanto quase metade da superfície endotelial das veias tratadas pelas outras duas técnicas exibiu ausência de células endoteliais. O exame angiográfico revelou perviabilidade de 95,4% para as pontes do grupo NT, 88,9% para as pontes do grupo (C) e 86,2% para as pontes do grupo (I). O estudo imunohistoquímico revelou a presença de NOS nas três camadas que compõem a parede da veia quando, as mesmas, foram tratadas pela técnica NT. Por outro lado, foi observada uma elevada redução desta enzima nas veias que foram tratadas pela técnica (C). A análise auto-radiográfica confirmou os resultados imunohistoquímicos. CONCLUSÃO: A integridade endotelial e a atividade da enzima óxido nítrico síntase foram melhor mantidas com o uso da técnica NT no preparo da veia safena. A atividade vasodilatadora e bloqueadora da agregação plaquetária causada pelo óxido nítrico (NO) pode ser a responsável pela proteção da veia contra o espasmo, como também pela alta perviabilidade imediata da mesma. Além disso, as propriedades mecânicas providas pelo tecido gorduroso em volta da veia, contribuíram para o melhor resultado desta nova técnica.

Keywords : Veia safena; Endotélio vascular; Revascularização miocárdica [métodos].

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English