SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 issue1Pulmonary pressure by echocardiophy in chagasic patients on heart transplant waiting listPredictors of mortality in patients over 70 years-old undergoing CABG or valve surgery with cardiopulmonary bypass author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular

Print version ISSN 0102-7638

Abstract

BRAVO-VALENZUELA, Nathalie Jeanne Magioli; PASSARELLI, Maria Lucia Bastos; COATES, Maria Veronica  and  NASCIMENTO, Luiz Fernando Costa. Recuperação pôndero-estatural em crianças com síndrome de Down e cardiopatia congênita. Rev Bras Cir Cardiovasc [online]. 2011, vol.26, n.1, pp. 61-68. ISSN 0102-7638.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382011000100013.

OBJETIVO: Avaliar o impacto das cardiopatias congênitas em crianças no crescimento de crianças com síndrome de Down (SD) e a sua recuperação pôndero-estatural após correção cirúrgica. MÉTODOS: Estudo retrospectivo de portadores da SD, entre 1984 e 2007. Excluídos os mosaicos e/ou portadores de morbidades associadas (n=165). Calcularam-se os escores Z para peso (Zpn) e comprimento (Zen) no momento do nascimento. Nos pacientes submetidos à correção cirúrgica (n=60), os escores Zp e Ze foram calculados antes da intervenção cirúrgica e em períodos posteriores, em até cinco anos de pós-operatório (PO). Em relação à população geral, Zp e Ze < 2,5 foram significativos para déficit de crescimento. Utilizado teste do Qui-Quadrado para verificar relação entre peso/estatura e idade no momento da cirurgia e teste T de Student para avaliar o momento em que ocorreu a recuperação PO (P < 0,05). RESULTADOS: As médias de Zpn (n=162) e Zen (n=156) foram -0,95 ± 1,27 e -1,348 ± 1,02. Da amostra total (n=165), 65,5% (n=108) dos pacientes apresentavam doença cardíaca. Dentre os pacientes submetidos (n=60) à cirurgia cardíaca, Zp era inferior a -2,5 em 55% (n=33) e Ze, em 60% (n=36). Com seis meses de PO, 67,4% alcançaram Zp > 2,5. Em um ano, 85,7% atingiram Ze > 2,5. Dividindo este grupo por idade, na época da cirurgia, em tercis não ocorreu diferença. CONCLUSÕES: Observou-se déficit pôndero-estatural em relação à população geral desde o nascimento, sendo maior nas crianças com cardiopatia de indicação cirúrgica. A recuperação PO ocorreu em seis meses para o peso e em um ano para a estatura, sem diferença quanto à idade no momento cirúrgico.

Keywords : Cardiopatias congênitas; Síndrome de Down; Peso Corporal; Estatura; Crescimento.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese