SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número1Estudo comparativo experimental da proteção miocárdica com soluções cristalóides para transplante cardíaco índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular

versão impressa ISSN 0102-7638

Resumo

SA, Michel Pompeu Barros de Oliveira et al. Predizendo risco de fibrilação atrial após cirurgia cardíaca valvar: avaliação de escore de risco brasileiro. Rev Bras Cir Cardiovasc [online]. 2012, vol.27, n.1, pp. 117-122. ISSN 0102-7638.  http://dx.doi.org/10.5935/1678-9741.20120017.

OBJETIVO: O objetivo deste estudo é avaliar a aplicabilidade de um escore brasileiro na predição de fibrilação atrial (FA) pós-operatória em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca valvar na Divisão de Cirurgia Cardiovascular do Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco - PROCAPE (Recife, PE, Brasil). MÉTODOS: Estudo retrospectivo envolvendo 491 pacientes consecutivos operados entre maio/2007 e dezembro/2010. Os registros continham todas as informações utilizadas para calcular a pontuação. O desfecho de interesse foi FA. Calculamos associação de fatores do escore com FA (análise univariada e análise de regressão logística multivariada), e associação de classes de risco do escore com FA. RESULTADOS: A incidência de FA foi de 31,2%. Na análise multivariada, as quatro variáveis do escore foram preditores de FA pós-operatória: idade> 70 anos (OR 6,82; IC95% 3,34-14,10; P<0,001), doença valvular mitral (OR 3,18; IC95% 1,83-5,20; P<0,001), sem uso de beta-bloqueador ou interrupção de seu uso no pós-operatório (OR 1,63; IC95% 1,05-2,51; P=0,028), balanço hídrico total >1500 ml nas primeiras 24 horas (OR 1,92; IC95% 1,28-2,88; P=0,002). Observamos que, quanto maior a classe de risco do paciente (baixa, média, alta, muito alta), maior é a incidência de FA pós-operatória (4,2%; 18,1%; 30,8%; 49,2%), mostrando que o modelo parece ser um bom preditor de risco de FA pósoperatória, em uma associação estatisticamente significativa (P<0,001). CONCLUSÕES: O escore brasileiro revelou-se um índice simples e objetivo, revelando-se um preditor satisfatório de desenvolvimento de FA pós-operatória em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca valvar em nossa instituição.

Palavras-chave : fibrilação atrial; doenças das valvas cardíacas; período pós-operatório.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês