SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número1Estudo comparativo de simulações paleoclimáticas na região do Atlântico SulModelagem da maré meteorológica utilizando redes neurais artificiais: uma aplicação para a Baía de Paranaguá-PR, parte 2: dados meteorológicos de reanálise do NCEP/NCAR índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Meteorologia

versão impressa ISSN 0102-7786

Resumo

OLIVEIRA JUNIOR, José Francisco de  e  KWON, Byung Hyuk. Características da camada limite atmosférica tropical (CLAT) na região de Serpong-Indonésia durante as estações seca e chuvosa. Rev. bras. meteorol. [online]. 2007, vol.22, n.1, pp. 38-52. ISSN 0102-7786.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-77862007000100005.

Através dos dados de superfície, radiossondagem e radar Doppler banda - L, em Serpong - Indonésia (6° 24’ S - 106° 42’ E), durante a estação seca (1993) e chuvosa (1994) foram estudadas as características da CLAT. Os dados de radar foram validados através da radiossondagem por métodos estatísticos (índice de correlação, média e desvio padrão). A estrutura da CLAT foi interpretada através do eco de radar (vento), observado continuamente para todos os dias do período de estudo. As características mais evidentes da CLAT nesta região foram à presença de uma CM (Camada de Mistura) diurna que atingia a 0,3 km pela manhã e outra camada entre 3-5 km à tarde, observando-se um ciclo diurno de crescimento e estacionariedade, devido ao aquecimento e resfriamento da superfície. A principal característica entre as estações foi que no horário de 0300 TL (Tempo Local), ambas apresentavam o mesmo comportamento (intensidade e direção do vento), mas para o restante do dia existiu uma grande diferença entre elas. Na estação seca a intensidade e a direção do vento foi mais variável do que na chuvosa, resultado observado na altura da CLAT. As informações obtidas através do BLR (Boundary Layer Radar), mostram a existência de pronunciadas variações diurnas na CLAT em dias claros. Verificou-se que a variação diurna da CLAT teve uma influencia marcante, devido à existência da circulação de brisa marítima, confirmada pelo BLR no dia 12/10/93. A validação dos dados do radar apresentou resultados significativos, onde na estação seca, os coeficientes de regressão variaram entre 0,83 e 0,94, tanto na direção como na intensidade, e na chuvosa variou de 0,77 a 0,88 (intensidade) e na direção da ordem de 0,3. Comprovou-se que as medidas de radar são equivalentes ao de radiossondagem, com o benefício de poder ter dados contínuos, provando-se que as observações, a partir da sua utilização deve desempenhar um papel importante no estudo da baixa atmosfera tropical.

Palavras-chave : radiossondagem; radar Doppler; brisa marítima; Indonésia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português