SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número4Quantificação da ilha de calor de curitiba considerando aspectos de estabilidade atmosféricaComparação dos dados de precipitação gerados Pelo gpcp vs observados para o estado do rio grande do sul índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Meteorologia

versão impressa ISSN 0102-7786versão On-line ISSN 1982-4351

Resumo

SANTANA, Raoni Aquino Silva da; TOTA, Julio; SANTOS, Rosa Maria Nascimento dos  e  VALE, Roseilson Souza do. Estabilidade e estrutura da turbulência sob a influência de jatos de baixos níveis noturnos no sudoeste da amazônia. Rev. bras. meteorol. [online]. 2015, vol.30, n.4, pp.405-414. ISSN 0102-7786.  https://doi.org/10.1590/0102-778620140132.

O objetivo deste trabalho foi avaliar como a ocorrência de Jatos de Baixos Níveis (JBNs) noturnos pode influenciar a estrutura da turbulência e a estabilidade atmosférica à superfície. Utilizando-se dados coletados por radiossondagem e pelo sistema de covariância de vórtices turbulentos durante a campanha WetAMC-LBA, foram definidos três regimes de estabilidade atmosférica à superfície: fracamente estável; transição e muito estável. Relacionando estes regimes e a estrutura da turbulência com a ocorrência de JBNs fortes, fracos-tipo 1 (ocorrem acima de 500 m) e fracos-tipo 2 (ocorrem até 500 m), observou-se que cerca de 22% dos casos de JBNs fortes estiveram dentro do regime fracamente estável, enquanto que apenas aproximadamente 3% dos casos de jatos fracos (tipo 1 e tipo 2) encontraram-se neste regime. Outro resultado interessante é que nos casos de JBNs fracos tipo 1, o maior percentual dos pontos encontraram-se dentro do regime muito estável (aproximadamente 54%). Durante a atividade de JBNs fortes a média da velocidade de fricção e da energia cinética turbulenta foi de 0,09 ms-1 e 0,13 m2s-2, respectivamente. Para JBNs fracos-tipo 1 estas variáveis apresentaram valores de 0,04 ms-1 e 0,02 m2s-2, enquanto que para JBNs fracos-tipo 2 os valores atingiram 0,06 ms-1 e 0,03 m2s-2 . Estes resultados sugerem que os JBNs com velocidades suficientemente altas e dependendo da altura em que ocorrem, podem aumentar a turbulência e introduzir fraca estabilidade atmosférica à superfície.

Palavras-chave : Blindagem por cisalhamento; Turbulência; Camada Limite Noturna; Jatos de Baixos Níveis; Amazônia..

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )