SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 issue2Acetylcysteine in random skin flap in ratsOxidatives alterations, total antioxidant status and nitric oxide study in rats submitted to ischemia and reperfusion of hind limbs author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Acta Cirurgica Brasileira

On-line version ISSN 1678-2674

Abstract

BIONDO-SIMOES, Maria de Lourdes Pessole et al. Efeitos do envelhecimento na cicatrização da parede abdominal, em ratos. Acta Cir. Bras. [online]. 2005, vol.20, n.2, pp. 124-133. ISSN 1678-2674.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-86502005000200005.

OBJETIVO: Estudar a cicatrização da parede abdominal em ratos adultos jovens e velhos. MÉTODOS: Os ratos adultos jovens tinham em média 110 dias de idade e os velhos 762 dias. Uma laparotomia mediana de 4,0 cm foi feita sob anestesia, seguida de laparorrafia com 2 planos de síntese, isto é, peritônio-músculo-aponevrose e pele, com síntese contínua de fio de náilon 5.0. Os animais foram avaliados com 3, 7, 14 e 21 dias de pós-operatório. A resistência dos dois planos foi avaliada separadamente e a análise histológica feita em cortes preparados pela Hematoxilina-eosina e Sirius red. Análise imunohistoquímica foi realizada empregando PCNA, LCA and CD34. RESULTADOS: A cicatriz da pele ganhou resistência de modo similar nos tempos iniciais, mas as dos animais jovens foram mais resistentes no 21º dia (p=0.0029). A densidade de colágeno total e tipo III foi similar nos dois grupos, porém o colágeno tipo I mostrou-se mais denso nas cicatrizes dos animais jovens no 14.º dia. O infiltrado de células inflamatórias foi maior nas cicatrizes dos animais jovens no 3.º dia (p=0.0190). A reepitelização foi similar e a angiogênese foi mais intensa na pele dos animais jovens, no 14.º dia (p=0.0062). O plano peritônio-músculo-aponevrótico ganhou similar resistência durante as fases iniciais, porém foi mais resistente no 14.º dia (p=0.0005) e no 21.º dia (p=0.0023) nos animais velhos. A densidade de colágeno foi maior nas paredes dos animais velhos no 3.º dia (p=0.0112) e nos animais jovens no 21.º dia (p=0.0348). A reação inflamatória foi mais intensa nas paredes dos animais velhos no 3.º dia (p=0.0060) e a angiogênese mais intensa no 14.º dia (0.0432). CONCLUSÃO: Embora existam diferenças na evolução do processo de cicatrização de jovens e velhos, a idade por si só, não prejudica a cicatrização da parede abdominal, em ratos.

Keywords : Cicatrização de feridas; Envelhecimento; Parede abdominal; Ratos.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English