SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue9Expression of RANTES, eotaxin-2, ICAM-1, LFA-1 and CCR-3 in chronic rhinosinusitis patients with nasal polyposisProgress in animal experimentation ethics: a case study from a Brazilian medical school and from the international medical literature author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Cirurgica Brasileira

On-line version ISSN 1678-2674

Abstract

TERRA JUNIOR, Júverson Alves; TERRA, Guilherme Azevedo; SILVA, Alex Augusto da  and  CREMA, Eduardo. Avaliação das alterações anatômicas e funcionais do coto esofágico de pacientes portadores de megaesôfago avançado submetidos à esofagectomia subtotal laparoscópica. Acta Cir. Bras. [online]. 2012, vol.27, n.9, pp.650-658. ISSN 1678-2674.  https://doi.org/10.1590/S0102-86502012000900011.

OBJETIVO: Avaliar as alterações anatômicas e funcionais do coto esofágico e fundo gástrico de pacientes com megaesôfago avançado, submetidos à esofagectomia subtotal laparoscópica. MÉTODOS: Vinte pacientes com megaesôfago avançado, previamente submetidos à esofagectomia subtotal videolaparoscópica, foram avaliados. Foram realizados: avaliação radiológica do coto esofágico com o estômago transposto, eletromanometria endoscopia e exame histopatológico do coto esofágico e fundo gástrico,sem fazer tubo gástrico ou piloroplastia. RESULTADOS: Observou-se que a altura média e pressão da anastomose, na avaliação eletromanométrica, foram: 23,45cm (± 1,84cm) e 7,55mmHg (± 5,65mmHg), Em pacientes com megaesôfago III, a pressão da anastomose foi de 10,91mmHg (± 6,33mmHg), e a pressão do ESE, 31,89mmHg (±14,64mmHg) foram significativamente mais elevados do que aqueles em grau IV. A avaliação patológica detectou esofagite leve em 35% dos pacientes, moderada em 20% e acantose glicogênica em 45%. O exame do fundo gástrico mostrou que 50% dos pacientes foram infectados com Helicobacter pylori. Gastrite crônica ocorreu em 95% dos pacientes. CONCLUSÕES: A esofagectomia laparoscópica mostrou-se eficaz no tratamento de acalasia avançada. A anastomose em nível cervical tem um papel protetor para o coto esofágico ao evitar a agressão resultante de refluxo gástrico após a esofagectomia.

Keywords : Laparoscopia; Esofagectomia; Acalasia Esofágica.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License