SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número4Equipe interdisciplinar reduz infecção sanguínea relacionada ao cateter venoso central em Unidade de Terapia Intensiva PediátricaVariáveis infantis e maternas associadas à presença de sobrepeso em crianças de creches índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Paulista de Pediatria

versão impressa ISSN 0103-0582

Resumo

LO, Denise Swei; RAGAZZI, Selma Lopes B.; GILIO, Alfredo Elias  e  MARTINEZ, Marina Baquerizo. Infecção urinária em menores de 15 anos: etiologia e perfil de sensibilidade antimicrobiana em hospital geral de pediatria. Rev. paul. pediatr. [online]. 2010, vol.28, n.4, pp.299-303. ISSN 0103-0582.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822010000400003.

OBJETIVO: Descrever a prevalência dos principais agentes etiológicos de infecção urinária comunitária em crianças menores de 15 anos e analisar o perfil de sensibilidade antimicrobiana do principal agente, Escherichia coli. MÉTODOS: Estudo retrospectivo conduzido a partir de uroculturas com crescimento de agente único, com unidades formadoras de colônia maior ou igual a 105/mL. A população selecionada foi atendida no Pronto Atendimento de Pediatria do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo entre janeiro de 2006 e dezembro de 2007. Para analisar o perfil de sensibilidade de E. coli, foram excluídos casos com infecção urinária de repetição e/ou portadores de uropatias. RESULTADOS: Dos 176 casos de infecção urinária, 133 (76%) ocorreram no sexo feminino e 43 (24%) no masculino. A faixa etária de maior prevalência das infecções urinárias foi a de menores de dois anos, com 84 casos (48%). Escherichia coli foi o principal agente isolado (122 culturas - 69% do total). Foram encontrados altos índices de sensibilidade antimicrobiana de E. coli às cefalosporinas de segunda e terceira geração (cefuroxima e ceftriaxona, 100%), aos aminoglicosídeos (amicacina, 100%; gentamicina, 96,4%), ao ácido nalidíxico (97,3%), à nitrofurantoina (98,2%) e às quinolonas (ciprofloxacina e norfloxacina, 98,2%); sensibilidade moderada à cefalosporina de primeira geração (cefalotina, 78,4%); baixa sensibilidade à ampicilina (38,7%) e ao sufametoxazol-trimetoprim (55%). CONCLUSÕES: E. coli continua sendo a bactéria mais prevalente das infecções urinárias comunitárias. Conhecendo a baixa sensibilidade in vitro dessa bactéria à sulfametoxazol-trimetoprim e à ampicilina, recomenda-se que tais drogas não sejam eleitas para a terapêutica inicial.

Palavras-chave : trato urinário; Escherichia coli; criança.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons