SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número2Alimentación en los primeros tres meses de vida de los bebés de una coorte en la ciudad de Pelotas, Rio Grande do Sul (Brasil)Lactancia materna exclusiva y factores asociados a su interrupción temprana: estudio comparativo entre 1999 y 2008 índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista Paulista de Pediatria

versión impresa ISSN 0103-0582

Resumen

CASTILHO, Silvia Diez; CASAGRANDE, Renan Capitani; RACHED, Carolina Roman  y  NUCCI, Luciana Bertoldi. Prevalência do uso de chupeta em lactentes amamentados e não amamentados atendidos em um hospital universitário. Rev. paul. pediatr. [online]. 2012, vol.30, n.2, pp. 166-172. ISSN 0103-0582.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822012000200003.

OBJETIVO: Avaliar a prevalência do uso da chupeta em relação ao tipo de aleitamento, as razões das mães para introduzi-la ou não e os fatores associados à mudança de opinião quanto à sua intenção inicial a esse respeito. MÉTODOS: Estudo transversal que avaliou 642 crianças (0-12 meses) atendidas no Hospital da Pontifícia Universidade Católica de Campinas quanto ao tipo de alimentação e uso de chupeta. A mãe foi questionada sobre sua intenção inicial quanto à chupeta, quanto ao seu uso e, se utilizada, porquê. Após análise descritiva, aplicou-se a regressão logística para verificar a associação da chupeta com a amamentação. RESULTADOS: A prevalência de uso de chupeta foi de 48% (IC95% 44-52), sendo maior entre as crianças não amamentadas (70%) comparadas às amamentadas (36%; p=0,029). Das que estavam em aleitamento exclusivo, 29% usavam chupeta (p<0,001). A chance de ser amamentada foi menor nas crianças com chupeta (OR=0,22; IC95% 0,15-0,33). Observou-se que 60% das mães mudaram de opinião quanto à intenção de introduzir a chupeta. O principal motivo alegado pelas mães que pretendiam dar a chupeta e não deram foi que a criança a rejeitou (95%) e, dentre as que não pretendiam e introduziram a chupeta, foi acalmar a criança (72%). CONCLUSÕES: A prevalência de uso da chupeta é elevada, sendo maior entre crianças não amamentadas; entre as amamentadas, é menor naquelas que recebem aleitamento exclusivo. A maioria das mães referiu ter mudado sua opinião inicial quanto ao uso da chupeta. Poucas mostraram preocupação com a possibilidade de seu uso interferir na amamentação.

Palabras llave : chupetas; aleitamento materno; desmame.

        · resumen en Español | Inglés     · texto en Portugués | Inglés     · pdf en Inglés | Portugués