SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue2CHEMERIN AND FACTORS RELATED TO CARDIOVASCULAR RISK IN CHILDREN AND ADOLESCENTS: A SYSTEMATIC REVIEWACRODERMATITIS ENTEROPATHICA: CLINICAL MANIFESTATIONS AND PEDIATRIC DIAGNOSIS author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Paulista de Pediatria

Print version ISSN 0103-0582On-line version ISSN 1984-0462

Abstract

KRAHENBUHL, Tathyane; GUIMARAES, Roseane de Fátima; BARROS FILHO, Antonio de Azevedo  and  GONCALVES, Ezequiel Moreira. GEOMETRIA ÓSSEA E ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES: REVISÃO SISTEMÁTICA. Rev. paul. pediatr. [online]. 2018, vol.36, n.2, pp.230-237.  Epub Jan 15, 2018. ISSN 0103-0582.  https://doi.org/10.1590/1984-0462/;2018;36;2;00005.

Objetivo:

Verificar a influência da prática de atividade física e/ou esportes na geometria óssea de crianças e adolescentes saudáveis.

Fonte de dados:

Foi realizada uma revisão sistemática, utilizando como referência o método Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA). Foram utilizadas as bases de buscas PubMed, Biblioteca Regional de Medicina/Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (BIREME/LILACS) e Scientific Electronic Library Online (SciELO), para levantamento de artigos publicados de 2006 a 2016, e os seguintes descritores: “Bone geometry” AND (Sport* OR Exercise* OR “Physical Activity”).

Síntese dos dados:

Após a seleção, foram incluídos 21 artigos. A maioria dos estudos demonstrou que a prática de atividade física e/ou esportes foi benéfica do ponto de vista da geometria e densidade mineral óssea; apenas dois estudos apresentaram valores dos parâmetros ósseos dos indivíduos controles melhores do que os praticantes de natação. As atividades físicas e esportes encontrados foram: ginástica artística (n=7), ginástica rítmica (n=2), tênis (n=1), futebol (n=3), capoeira (n=1), natação (n=4), ciclismo (n=1), atividades com saltos (n=2), estudos relacionando atividade física com pico de torque isocinético (n=1), atividade física em geral, tempo presente ou passado, mensurado por questionário (n=4) e aulas adicionais de educação física (n=2).

Conclusões:

Dentre os esportes e atividades físicas encontradas, a ginástica, o futebol e a prática de atividade física mais intensa avaliada por questionário resultaram em geometria óssea melhor em comparação à não prática de atividade física, enquanto que a natação e exercícios de saltos não influenciaram a geometria óssea. Portanto, atividades esportivas com sobrecarga corporal, avaliadas como mais intensas e mais frequentes, exercem efeito benéfico sobre a geometria óssea.

Keywords : Exercício; Esportes; Densidade óssea; Adolescentes; Atletas.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )