SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue2Beneficial constraints: beneficial for whom?Organs gift: law, market and families author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Tempo Social

Print version ISSN 0103-2070

Abstract

COSTA, Sérgio. Quase crítica: insuficiências da sociologia da modernização reflexiva. Tempo Soc. [online]. 2004, vol.16, n.2, pp. 73-100. ISSN 0103-2070.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702004000200004.

Recebida nos anos de 1990 como importante renovação das ciências sociais, a sociologia da modernização reflexiva, desenvolvida principalmente por A. Giddens e U. Beck, mostra já hoje sinais evidentes de esgotamento. Do ponto de vista teórico, tal abordagem não escapa ao evolucionismo contido na primeira sociologia da modernização: se nesta última eram as instituições e as estruturas sociais das sociedades do Atlântico Norte que representavam um ponto de chegada da história a ser alcançado por todas as demais sociedades, a teoria da modernização reflexiva estabelece a subjetividade reflexiva como referência de sua teleologia. Por outro lado, a concepção de uma "terceira via", além da esquerda e da direita, encontra-se assente numa visão idealizada da política, inserindo essa esfera acima dos interesses e das relações de poder. Revela-se, dessa forma, desprovida de qualquer recurso analítico capaz de favorecer a compreensão crítica dos desenvolvimentos recentes na política mundial.

Keywords : Modernização reflexiva; Cosmopolitização; Anthony Giddens; Ulrich Beck.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese