SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número2Transformação genética de cultivares de tomateiro industrial mediada por Agrobacterium tumefaciensDesfolhamento e baixa temperatura em plantas micropropagadas de macieira como forma de superar a parada do crescimento durante a aclimatização índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal

versão impressa ISSN 0103-3131

Resumo

NAVES-BARBIERO, CHEILA CRISTINA; FRANCO, AUGUSTO CÉSAR; BUCCI, SANDRA JANET  e  GOLDSTEIN, GUILHERMO. Fluxo de seiva e condutância estomática de duas espécies lenhosas sempre-verdes no campo sujo e cerradão. Rev. Bras. Fisiol. Veg. [online]. 2000, vol.12, n.2, pp.119-134. ISSN 0103-3131.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-31312000000200003.

No presente estudo, comparou-se o curso diário de fluxo de seiva, condutância estomática e potencial hídrico (Y) de duas espécies sempre-verdes, Rapanea guianensis e Roupala montana. Os dados foram obtidos no final da estação seca, quando os efeitos do déficit hídrico seriam mais acentuados.  As medidas foram realizadas  no campo sujo, onde predomina gramíneas com sistemas radiculares superficiais, e no cerradão, em que a maior densidade de elementos lenhosos com sistemas radiculares profundos poderia levar a um esgotamento das reservas de água do subsolo na estação seca. Valores máximos de  Ynão diferiram para as duas espécies nas duas fisionomias estudadas. Os valores mínimos de potencial hídrico foliar de R. guianensis foram mais negativos (P<0,05) para as plantas do cerradão, enquanto os valores para R. montana não apresentaram diferenças  entre as duas fisionomias. Os resultados indicaram que não existem diferenças significativas (P > 0,05) entre os valores de fluxo máximo e de fluxo total entre o campo sujo e cerradão.  Os valores máximos de fluxo de seiva variaram entre 0,13 e 0,22 l. h-1 para R. guianensis e entre 0,15 e 0,54 l. h-1 para R. montana.   Entretanto, as duas espécies, tanto no campo sujo quanto no cerradão, apresentaram um rígido controle estomático em relação à alta demanda evaporativa da atmosfera.  O fluxo de seiva aumentou bruscamente pela manhã, alcançando rapidamente valores máximos entre 8 e 10 horas, e logo após decresceu  severamente, apesar do crescente aumento da radiação solar e da demanda evaporativa da atmosfera.

Palavras-chave : Rapanea guianensis; Roupala montana; transpiração; cerrado; potencial hídrico.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons