SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue1Biochemical evaluation of lipoxygenase pathway of soybean plants submitted to woundingActual and potential photosynthetic rates of tropical crop species author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal

Print version ISSN 0103-3131

Abstract

MACEDO, CRISTIANE ELIZABETH COSTA DE; KINET, JEAN MARIE  and  LUTTS, STANLEY. Efeitos do alumínio na excreção dos ácidos cítrico e málico nas raízes e calos de cultivares de arroz. Rev. Bras. Fisiol. Veg. [online]. 2001, vol.13, n.1, pp.13-23. ISSN 0103-3131.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-31312001000100002.

A excreção dos ácidos málico e cítrico no meio de cultura, assim com a acumulação do ácido málico nas raízes e em calos derivados de embriões, foram estudadas como um possível mecanismo de resistência ao alumínio em arroz. Plântulas de 4 dias e calos derivados de embriões das cultivares resistentes ao alumínio (IRAT 112 e IR6023) e das cultivares sensíveis (Aiwu e IKP) foram tratadas com 0, 250 e 500µM de alumínio {Al2(S04)3.18H20 }. Em seguida, de 3 a 36 horas de estresse, as plântulas e os calos foram removidos dos frascos e as concentrações dos ácidos cítrico e málico, determinadas. A concentração do ácido málico foi também determinada nos ápices das raízes e nos calos. Após 17 horas de estresse, o crescimento radicular foi inibido, mostrando um efeito tipico do Al em arroz. Entretanto, a extensão da inibição depende da cultivar e da concentração em Al. Na presença de 500 µM de Al, ocorreu uma forte redução no alongamento radicular em todos as cultivares, ao passo que a 250 µM de Al, a cultivar IRAT não foi afetada. Na ausência de alumínio (solução-controle), todas as cultivares excretaram quantidades comparáveis de ácido cítrico e málico. Os diferentes tratamentos com alumínio não exerceram nenhum efeito na excreção do citrato nos dois grupos de cultivares (Al-resistentes e Al-sensiveis). Em todas as cultivares estudadas, e no intervalo de 3 a 24h, o Al estimulou ligeiramente a excreção do malato. As concentrações de ácido málico determinadas nos ápices das raízes, tanto em ausência como na presença de Al, não apresentaram nenhuma relação com a resistência ao alumínio, visto que nenhuma diferença foi detectada entre as cultivares. Nenhuma diferença foi detectada, tanto na excreção como nas concentrações internas de malato, entre calos tratados ou não com Al nas quatro cultivares estudadas. Portanto, conclui-se que, nas condições experimentais deste trabalho, diferenças com relação à resistência ao Al entre as cultivares de arroz estudadas  não podem ser atribuídas aos ácidos málico e cítrico. Há necessidade de novos estudos, tanto para avaliar outros possíveis mecanismos de resistência do arroz  ao alumínio, como, por exemplo, para participação de outros ácidos orgânicos.

Keywords : ácido málico; ácido cítrico; mecanismos de resistência ao Al; detoxificação de Al; tolerância interna.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License