SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número2Efeito da temperatura na germinação e na atividade da endo-beta-mananase em sementes de gergelimRelação da leitura do clorofilômetro com os teores de clorofila extraível e de nitrogênio na folha de milho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal

versão impressa ISSN 0103-3131

Resumo

GONCALVES, JOSÉ FRANCISCO DE CARVALHO; MARENCO, RICARDO ANTONIO  e  VIEIRA, GIL. Concentração de pigmentos fotossintéticos e fluorescência da clorofila em mogno e cumaru sob dois ambientes de luz. Rev. Bras. Fisiol. Veg. [online]. 2001, vol.13, n.2, pp.149-157. ISSN 0103-3131.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-31312001000200004.

Estudou-se o efeito do ambiente de luz sobre as concentrações dos pigmentos fotossintéticos e a fluorescência da clorofila a em plantas de mogno (Swietenia macrophylla King) e de cumaru (Dipteryx odorata Aubl. Willd), com o objetivo de analisar a eficiência fotossintética dessas espécies sob dois ambientes de luz em plantio sob área degradada, na Amazônia Central, Brasil. Utilizaram-se plantas jovens, com 3 anos de idade, em plantio a céu aberto (sol) com cerca de 2000 mmol m-2 s-1 e sob cobertura natural do dossel de plantas (sombra) de pau-de-balsa (Ochroma pyramidale Cav. Ex Lam. Urb) com índice de área foliar de 2,46 e sombreamento de 13% da luz no ambiente aberto com cerca de 260 µmol m-2 s-1. As concentrações dos carotenóides e das clorofilas foram determinadAs por espectrofotometria, e a fluorescência, utilizando-se um fluorômetro portátil. Analisando-se as variáveis: fluorescência inicial (Fo), fluorescência máxima (Fm), fluorescência variável (Fv) e a razão Fv/Fm,, constatou-se que as concentrações de clorofila (Chl) a, b e total em µmol. g-1 MF, nas duas espécies, foram maiores no ambiente de sombra quando comparadAs com o ambiente de sol. Por outro lado, no mogno, essas mesmas concentrações, por unidade de área, não foram diferentes para os ambientes sol ou sombra. Porém, no caso do cumaru, as Chl a e total foram maiores no ambiente de sol, enquanto a Chl b continuou maior no ambiente de sombra. Para os carotenóides, tanto por unidade de massa quanto de área, verificaram-se diferenças para o mogno, ou seja, as concentrações de carotenóides foram sempre maiores no ambiente de sol. Por outro lado, no cumaru, por unidade de massa, as concentrações desses pigmentos foram maiores na sombra e por unidade de área não se observaram diferenças entre os ambientes. Quanto à fluorescência, verificou-se que, no mogno, os valores de Fo, Fm e Fv foram sempre maiores no ambiente de sol. Já no cumaru, não verificou-se diferença para Fo, entre os ambientes. Os valores de Fm e Fv foram maiores no ambiente de sombra. No ambiente de sol, a razão Fv/Fm foi maior nas folhas de cumaru, quando comparada com o mogno. Concluiu-se que essas espécies, classificadas como espécies intermediárias e sucessional tardia, usam estratégias diferentes quanto ao acúmulo e ao uso dos pigmentos fotossintéticos no que se refere à captação de luz em ambientes de menor luminosidade e à proteção contra a fotodestruição em ambientes de maior luminosidade.

Palavras-chave : Carotenóides; Dipteryx odorata; espécies tropicais Swietenia macrophylla.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons