SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número64Infraestrutura na Amazônia: as lições dos planos plurianuaisMeio ambiente urbano e questão social: habitação popular em áreas de preservação ambiental índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Caderno CRH

versão impressa ISSN 0103-4979

Resumo

ROSA, Marcelo C.. Reforma agrária e land reform: movimentos sociais e o sentido de ser um sem-terra no Brasil e na África do Sul. Cad. CRH [online]. 2012, vol.25, n.64, pp. 99-114. ISSN 0103-4979.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-49792012000100008.

Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa comparada sobre a atuação do Landless People´s Movement (LPM), da África do Sul, e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), realizada entre 2005 e 2009. No lado brasileiro, impera a ideia de reforma agrária, ou seja, uma ação política voltada para o uso produtivo ou agrícola da terra, que tem, como pano de fundo, critérios legais de produtividade. Na parte sul-africana, vemos o embate se estruturar sob a nomenclatura de land reform, slogan que remete a uma mudança na distribuição do território, visando à reparação das injustiças cometidas pelos governos do apartheid. Sendo assim, indicamos que esses dois casos comportam tipos diferentes de sujeitos da ação política. Tendo como referentes agentes históricos distintos, os movimentos sob análise, nesses dois países, procuram se legitimar por meio de diferentes "grandezas" que justificam suas existências e suas lutas. Neste artigo, procuraremos apresentar as especificidades de cada um dos sem-terras desses movimentos, a partir das suas formas sociais de "engrandecimento e justificação social" diante de suas bases e do Estado.

Palavras-chave : sem-terra; reforma agrária; África do Sul; movimentos sociais; MST.

        · resumo em Inglês | Francês     · texto em Português     · pdf em Português