SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número1Qualidade e humanização do atendimento em Medicina Intensiva. Qual a visão dos familiares?A avaliação de gravidade de mulheres em estado grave por pré-eclâmpsia: estudo caso-controle índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Terapia Intensiva

versão impressa ISSN 0103-507Xversão On-line ISSN 1982-4335

Resumo

KOURY, Joana Corrêa de A.; LACERDA, Heloísa Ramos  e  BARROS NETO, Alberto José de. Características da população com sepse em unidade de terapia intensiva de hospital terciário e privado da cidade do Recife. Rev. bras. ter. intensiva [online]. 2006, vol.18, n.1, pp.52-58. ISSN 0103-507X.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2006000100010.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Determinar as características clínicas, epidemiológicas e laboratoriais, bem como a mortalidade dos pacientes adultos com sepse, admitidos na UTI geral de hospital privado terciário do estado de Pernambuco. MÉTODO: Estudo tipo coorte prospectiva e observacional, que incluiu pacientes adultos admitidos com o diagnóstico de sepse ou que a desenvolveram durante a internação na UTI do Hospital Português de Recife durante o período de seis meses. Foram colhidos dados clínicos e laboratoriais, bem como, calculados os escores APACHE II e SOFA, sendo os pacientes re-avaliados ao final da internação para definir o desfecho clínico, ou seja, para alta, óbito, ou transferência da UTI. RESULTADOS: Foram incluídos 199 pacientes, dos quais 112 (56,3%) tiveram alta da UTI. Cerca de 67,8% da população foi composta por idosos (maiores de 65 anos), a média do APACHE II foi de 18,2 ± 6,3 e a média do SOFA no primeiro dia foi de 6,3 ± 3,7. O motivo da internação foi clínico em 85,4% dos casos e em 76,4% dos pacientes existia doença crônica associada. A sepse foi de origem pulmonar em 79,3% dos casos e 40% dos pacientes tiveram o agente etiológico isolado. Observou-se plaquetopenia (plaquetas < 100.000/mm3) em 20,6% dos pacientes, o INR > 1,5 em 42%, o fibrinogênio > 300 mg/dL em 81,7% e a atividade da antitrombina < 70% em 32,5% dos casos. CONCLUSÕES: Os dados epidemiológicos de sepse nesse estudo são semelhantes àqueles recentemente descritos em populações no Sul e Sudeste do Brasil, bem como dos Estados Unidos e Europa.

Palavras-chave : adultos; fatores de risco; mortalidade; sepse.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons