SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número4Atuação da fisioterapia na reabilitação dos sobreviventes da tragédia na boate Kiss: relato de experiênciaTradução, adaptação cultural e confiabilidade da versão brasileira do Graded Wolf Motor Function Test em adultos com hemiparesia grave índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Fisioterapia em Movimento

versão impressa ISSN 0103-5150versão On-line ISSN 1980-5918

Resumo

SACOMORI, Cinara; VIRTUOSO, Janeisa Franck; KRUGER, Ana Paula  e  CARDOSO, Fernando Luiz. Força muscular do assoalho pélvico e função sexual em mulheres. Fisioter. mov. [online]. 2015, vol.28, n.4, pp.657-665. ISSN 0103-5150.  http://dx.doi.org/10.1590/0103-5150.028.004.AO02.

Introdução

: Os músculos do assoalho pélvico (MAP) respondem aos estímulos sexuais, com aumento da circulação sanguínea local e contrações involuntárias durante o orgasmo. O treinamento dessa musculatura promove melhora da função sexual feminina.

Objetivo

: Verificar a associação entre a força muscular dos MAP e função sexual em mulheres, controlando idade e paridade.

Método

: Estudo transversal de associação. Foram avaliadas mulheres atendidas num centro de referência para rastreamento do câncer de colo uterino de Florianópolis/SC. Utilizou-se a Avaliação Funcional do Assoalho Pélvico e o questionário Female Sexual Function Index. Os recursos estatísticos incluíram os testes U de Mann Whitney, correlação de Spearman e Regressão de Poisson, p < 0,05.

Resultados

: A média de idade das participantes (n = 177) foi 39,05 anos (DP = ± 13,3). Com relação à função dos MAP, 53,7% apresentaram contração não palpável ou débil. As mulheres com função muscular de boa qualidade (que vencia a resistência manual feita pelo avaliador) tiveram significativamente maior desejo, excitação, lubrificação e orgasmo do que aquelas com função débil/ruim. Identificou-se que 52,5% das mulheres tinham disfunção sexual. Mulheres com função dos MAP "ruim" e idade superior a 50 anos apresentaram, respectivamente, 1.36 (IC95% 1,01 - 1,82) e 1.77 (IC95% 1,41 - 2,23) maior prevalência de disfunção sexual que as mulheres com "boa" função muscular.

Conclusões

: Mulheres adultas com melhor função dos MAP também apresentam melhor função sexual.

Palavras-chave : Disfunção sexual; Diafragma da pelve; Força muscular; Fisioterapia; Sexualidade.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )