SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33Nível de atividade física entre idosos acima de 70 anos e idosos longevosÍndice de Massa Corporal, Idade, Maturação Sexual e a Incidência de Hiperlordose Lombar em crianças e adolescentes índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Fisioterapia em Movimento

versão On-line ISSN 1980-5918

Resumo

AMARAL, Franciele Aparecida et al. Amplitude de movimento articular cervical, postura e atividade eletromiográfica da musculatura mastigatória na disfunção temporomandibular. Fisioter. mov. [online]. 2020, vol.33, e003325.  Epub 17-Abr-2020. ISSN 1980-5918.  https://doi.org/10.1590/1980-5918.033.ao25.

Introdução:

A disfunção temporomandibular (DTM) compreende alterações clínicas e sintomas que envolvem a articulação temporomandibular (ATM) e estruturas associadas. A ATM possui conexões anatômicas com a região cervical, onde os movimentos das vértebras cervicais ocorrem simultaneamente com a ativação dos músculos mastigatórios e dos movimentos da mandíbula.

Objetivo:

O objetivo foi verificar a relação entre achados do Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC/TMD) com a eletromiografia de superfície (EMGs) da musculatura mastigatória, postura e flexibilidade cervical em mulheres com DTM.

Método:

Cinquenta mulheres com DTM, pelo RDC/TMD, com idade média de 27,0 ± 6,37 anos foram avaliadas quanto à postura craniocervical, flexibilidade cervical e EMGs da musculatura mastigatória.

Resultados:

Não houve diferença quanto às limitações relacionadas à função mandibular (LRFM), depressão, grau de dor e interferência no trabalho e atividades diárias, postura e EMGs entre os diagnósticos de DTM e entre a classificação muscular (p > 0,05). O comprometimento biarticular apresentou maior depressão (p = 0,023). O grupo com bruxismo apresentou maior grau de dor no momento (p = 0,001), e maior comprometimento na capacidade de trabalhar (p = 0,039). A DTM muscular e mista tiveram menor rotação à direita em comparação ao diagnóstico articular.

Conclusão:

Os diagnósticos de DTM, os variados comprometimentos articulares e musculares e a presença de bruxismo não apresentaram diferença quanto à postura e a EMGs. O comprometimento muscular está associado a uma menor rotação cervical à direita. As LRFM não interferiram na postura e na EMGs. A depressão tem associação com a dor.

Palavras-chave : Articulação Temporomandibular; Amplitude de Movimento Articular; Eletromiografia; Postura.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )