SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número2EFEITOS DO FÓSFORO E DO ZINCO NO ARROZ DE SEQUEIRO EM LATOSSOLO VERMELHO ESCUROINFLUÊNCIA DA ÉPOCA DE PLANTIO E CLASSES DE BULBILHOS NO RENDIMENTO DE ALHO índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Rural

versão impressa ISSN 0103-8478

Resumo

SACCOL, Ailo Valmir  e  STORCK, Lindolfo. ANÁLISE DE ESTABILIDADE FENOTÍPICA DE CULTIVARES DE SOJA EM 28 AMBIENTES DO RIO GRANDE DO SUL. Cienc. Rural [online]. 1993, vol.23, n.2, pp.145-149. ISSN 0103-8478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84781993000200004.

O presente estudo utilizou os dados de rendimento de 21 cultivares de soja, em 28 ambientes do Rio Grande do Sul, para uma análise de estabilidade pelo modelo bi-segmentado descontínuo (STORCK, 1989), com correções devido a erros nas variáveis. As principais conclusões foram; 1) O método mostrou-se adequado para o estudo da estabilidade fenotípica de cultivares de soja, porque houve uma boa variação ambiental e um bom ajustamento dos dados ao modelo; 2) O grupo de cultivares estudado pode ser classificado em: a) Indesejáveis (Hill, IAS-2, Paraná, Prata, Sel. Foscarin, Louisiana, Hardee, Bienville, Industrial, Santa Rosa, Bossier e Viçoja); b) Adaptáveis tanto aos ambientes inferiores como aos superiores, dentro da região estudada (Pérola, Bragg e Jakson); c) Adaptáveis à ambientes superiores (Planalto, Hale-7, IAS-5, IAS-1 e IAS-4); d) Adaptáveis à ambientes médios (Hood).

Palavras-chave : soja; análise da estabilidade; interação cultivares e ambientes.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons