SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue2Experimental peritoneal adhesions in dogs. A macroscopic studySpecies and prevalence of ticks infestations on stray dogs in Porto Alegre city, RS, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Abstract

OLIVEIRA, Gilson Pereira de  and  FREITAS, Alfredo Ribeiro de. Comportamento da Haematobia irritans em fazendas com diferentes manejos de bovinos. Cienc. Rural [online]. 1997, vol.27, n.2, pp. 279-284. ISSN 0103-8478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84781997000200018.

A dinâmica parasitária da Haematobia irritans foi estudada em três fazendas com diferentes tipos de manejo de bovinos mestiços na região de São Carlos, SP, as quais não utilizavam nenhum tratamento específico à mosca. O experimento consistuiu na contagem de mosca na região dorso-lombar a cada 14 dias no período de outubro de 1992 a outubro de 1994. Cada fazenda adotava um tratamento: T1 (Fazenda Ribeirão Bonito, verminose tratada com levamizole-Ripercol L injetável, carrapato com piretróide - Ectoplus "pouron" e berne com trichlorphon-Neguvon + óleo queimado, usotópico); T2(Fazenda São Carlos, verminose tratada com levamizole - Ripercol injetável, carrapato tratado com banho de imersão com formamidina - Triatox e berne com fenthion -Tiguvon "pour on") e T3 (Fazenda Santa Eudóxia - sem tratamento). Os dados de contagem da mosca-do-chifre (MC), na escala √(MC + 0,5), foram analisados em um modelo que incluiu além da média, os efeitos de tratamentos, ano, mês, período e as interações duplas, sendo que todos os efeitos diferiram entre si (P<0,01). Na escala original observou-se que a contagem nos meses de temperaturas mais elevadas (outubro a março), houve uma carga de 15,7 ± 36,4 moscas/animal, enquanto que nos meses de temperaturas mais baixas (abril a setembro) foi de 6,8 ± 23,6 moscas/animal. A média de infestação de moscas/animal diferiu (P< 0,01) entre os anos (92 = 4,8 ± 7,8; 93 = 8,8 ± 20,0; 94 = 16,6 ± 43,8) e entre fazendas (T1= 3,1 ± 9,7 ; T2 = 2,2 ± 13,7 e T3 = 26,0 ± 44,5), mostrando que o comportamento da mosca-do-chifre é irregular e acíclico. Observou-se ainda, uma eficiência (P<0,05) de 81,1% e 86,3% nos tratamentos T1 e T2, respectivamente, quando comparado com o tratamento T3.

Keywords : bovino; mosca-do-chifre; comportamento; controle.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese