SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue4Extraction of ecdysterone from roots of Brazilian ginsengChagasic myocarditis in dogs in Rio Grande do Sul author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Abstract

FESTUGATTO, Rafael et al. Modificação da técnica de abordagem ventral à articulação atlantoxial sem a secção do músculo esternotireóideo. Cienc. Rural [online]. 2009, vol.39, n.4, pp. 1227-1230.  Epub Mar 27, 2009. ISSN 0103-8478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782009005000042.

O objetivo deste trabalho foi apresentar uma variação na técnica de acesso ventral à articulação atlantoaxial para tratamento da instabilidade atlantoaxial sem a secção do músculo esternotireóideo. Foram utilizados 15 cães, pesando entre oito e 12kg, sem raça definida, independente do sexo, distribuídos aleatoriamente em três grupos iguais de acordo com o período pós-operatório (PO) denominados de I (30dias), II (60 dias) e III (90 dias) para avaliações clínicas diárias. A articulação atlantoaxial foi submetida à artrodese por meio do acesso ventral utilizando pinos de Steinmann associados à resina acrílica autopolimerizável. O acesso e a exposição da articulação atlantoaxial sem a secção do músculo esternotireóideo foram realizados sem complicações ou limitações adicionais. Nenhum cão desta pesquisa apresentou tosse, dispnéia, regurgitação, paralisia laríngea ou Síndrome de Horner. Pode-se concluir que a secção do músculo esternotireóideo é um procedimento desnecessário e que não interfere na exposição da articulação atlantoaxial e na realização da artrodese em cães por meio do acesso ventral.

Keywords : artrodese atlantoaxial; neurologia; cão.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese