SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.42 issue11Bacterial conjunctivitis secondary to dental disease in chinchillas (Chinchilla lanigera)Productivity of pastures-based systems mixed to forage peanut or red clover author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Abstract

TEIXEIRA NETO, Milton Rezende et al. Variabilidade genética na raça bubalina Mediterrânea avaliada por meio de análise de pedigree. Cienc. Rural [online]. 2012, vol.42, n.11, pp. 2037-2042. ISSN 0103-8478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782012001100021.

O objetivo deste trabalho foi estudar a estrutura genética populacional de bubalinos da raça Mediterrâneo, em quatros rebanhos, no Brasil. Foram utilizados dados de pedigree de 6.588 bubalinos da raça Mediterrâneo nascidos no período de 1980 a 2002. Do total de animais estudados, 60,5; 15,3 e 2,1% possuíam pedigree na primeira, segunda e terceira ascendência, respectivamente. O número efetivo de rebanhos que forneceram machos reprodutores foi de 1,60 para pais; 1,16 para avôs e 1,00 para bisavôs. O número de animais fundadores foi 923 e o número efetivo de fundadores foi apenas 71. O número efetivo de ancestrais que explicaram a variabilidade genética da população foi de 71 e somente 30 ancestrais explicaram 50% da variabilidade genética da população. Os coeficientes médios de relação (CR) entre os indivíduos da população e de endogamia (F) foram estimados em 0,37 e 0,34%, respectivamente. A estimativa média do intervalo de gerações foi de 8,71±2,85 anos. A variabilidade da população atual é fruto da contribuição de poucos ancestrais, que são, na sua maioria, também fundadores, evidenciando que a população se desenvolveu a partir de uma base genética estreita, o que caracteriza a ocorrência do efeito fundador.

Keywords : Bubalus bubalis; endogamia; estrutura genética populacional; fundadores; ancestrais.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese