SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 número6Classificação, métodos de fixação, complicações e desfecho das fraturas de fêmur em cães e gatos: 61 casos (2015-2016)Composição da vegetação e massa de forragem em pastagem natural de dupla estrutura sob dois manejos no inverno índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência Rural

versão impressa ISSN 0103-8478versão On-line ISSN 1678-4596

Resumo

LOPES, Taís da Silva; SANCHES, Eduardo Antônio; CANEPPELE, Danilo  e  ROMAGOSA, Elizabeth. Viabilidade de oócitos de surubim do Paraíba após exposição a diferentes crioprotetores. Cienc. Rural [online]. 2018, vol.48, n.6, e20170667.  Epub 24-Maio-2018. ISSN 1678-4596.  https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20170667.

Conhecer os crioprotetores não tóxicos aos oócitos de peixes é de extrema importância para testes que visam aumentar a resistência dos oócitos ao frio, permitindo, assim, estudos mais avançados em criopreservação. Desta forma, crioprotetores comumente utilizados como o metanol, dimetil sulfóxido, etilenoglicol, propilenoglicol, sacarose e frutose foram estudados. Os oócitos imaturos, nos estágios inicial até vitelogênico (diâmetro <1,7mm), e maduros (diâmetro >1,8mm) de Steindachneridion parahybae foram avaliados. Quatro experimentos distintos foram realizados, sendo três destes utilizando oócitos imaturos, e um usando oócitos no estágio maduro. Para cada estágio oocitários foram avaliados, considerando qual a melhor solução de manutenção a ser utilizada: Hank ou 50% L15 e; viabilidade após banhos por 30min (temperatura ambiente) em concentrações de crioprotetores, variando de 0,25 a 4M. Diferentes testes foram utilizados para avaliar a viabilidade dos oócitos: maturação in vitro seguido por observação da quebra da vesícula germinativa (somente para oócitos imaturos), coloração por Azul de Tripan (todos os estágios) e taxas de fertilização e eclosão (somente no estágio maduro). Os resultados mostraram que o efeito tóxico dos crioprotetores em oócitos geralmente crescem com o aumento das concentrações. A sensibilidade dos oócitos a crioprotetores aumentam de acordo com o estágio de desenvolvimento, com oócitos maduros sendo mais sensíveis. Sacarose, frutose, metanol, propileno glicol e dimetil sulfóxido podem ser usados como crioprotetores para oócitos de S. parahybae.

Palavras-chave : reprodução de peixe; oócitos de peixes; toxicidade; concentrações de crioprotetores; Steindachneridion parahybae.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )