SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.63 issue5Potential limitations for potato yields in raised soil field systems near Lake TiticacaFitting a taper function to minimize the sum of absolute deviations author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Scientia Agricola

Print version ISSN 0103-9016On-line version ISSN 1678-992X

Abstract

PERIN, Adriano et al. Crotalária e milheto como adubos verdes para a produção de milho nos trópicos. Sci. agric. (Piracicaba, Braz.) [online]. 2006, vol.63, n.5, pp.453-459. ISSN 0103-9016.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162006000500006.

A liberação de nutrientes dos resíduos de leguminosas é rápida nos trópicos. A consorciação com gramíneas pode resultar em liberação de nutrientes desses resíduos mais lenta e adequada aos requerimentos de N da cultura subseqüente. Os objetivos do trabalho foram avaliar os efeitos dos adubos verdes crotalária (Crotalaria juncea) e milheto (Pennisetum glaucum), solteiros ou consorciados, sobre o desempenho do milho com ou sem a aplicação de N-fertilizante. O experimento foi instalado em quatro blocos casualizados em parcelas subdivididas. Os tratamentos da parcela consistiram do cultivo prévio de crotalária, milheto, crotalária+milheto e ervas. Os tratamentos da subparcela foram 90 kg N ha-1 e ausência de N-fertilizante. A parte aérea da crotalária solteira ou consorciada apresentou, respectivamente, 173 kg ha-1 e 89 kg ha-1 de FBN-N. Metade do N foi liberado em 15 e 22 dias, dos resíduos de crotalária solteira e crotalária+milheto respectivamente. Esta diferença foi provavelmente causada pela imobilização temporária devido à maior C/N da crotalária+milheto. Na ausência de N-fertilizante o cultivo prévio de crotalária+milheto resultou em maior produtividade do milho que a crotalária solteira. Esse resultado não se repetiu com a aplicação de N-fertilizante. Esse efeito é atribuído à liberação de N mais sincronizada com o requerimento do milho do que com crotalária e milheto solteiros. O balanço de nitrogênio mostra que a recuperação de N-FBN foi de 15% e 10% do N nos grão de milho após crotalária solteira e crotalária+milheto respectivamente. A utilização de N-FBN pelo milho foi 65% maior após crotalária+milheto do que após crotalária solteira.

Keywords : recuperação de nitrogênio; fixação biológica do nitrogênio; taxa de decomposição; consórcio.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf epdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License