SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.64 issue2Electrical conductivity as an indicator of pea seed aging of stored at different temperaturesRice herbicide monitoring in two Brazilian rivers during the rice growing season author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Scientia Agricola

Print version ISSN 0103-9016

Abstract

SOUZA, Fábio Suano de  and  ROSOLEM, Ciro Antonio. Intensidade de chuva e persistência de Cloreto de Mepiquat no algodoeiro. Sci. agric. (Piracicaba, Braz.) [online]. 2007, vol.64, n.2, pp. 125-130. ISSN 0103-9016.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162007000200004.

Em parte das regiões onde se encontram as maiores áreas de algodão no Brasil atualmente, o índice pluviométrico está ao redor de 2.000 mm anuais, existindo risco de ocorrer lavagem do Cloreto de Mepiquat (CM) das folhas do algodoeiro antes de ser absorvido pelas plantas. O objetivo deste trabalho foi avaliar a lavagem do CM aplicado no algodoeiro por diferentes laminas de chuva simulada. Os tratamentos constaram de três doses do regulador à base de cloreto de mepiquat: 0, 15.0 e 30.0 g ha-1 e quatro lâminas de chuva simulada: 5, 10, 20 e 40 mm, mais um tratamento sem chuva. Foram utilizados vasos de 12 litros de capacidade e a cultivar Delta Opal. Os parâmetros avaliados foram: altura de plantas, número de ramos reprodutivos, massa de matéria seca, retenção de estruturas reprodutivas e área foliar. Quanto maior a intensidade de chuva ocorrida após a aplicação do regulador maior foi o comprometimento da ação do produto, que repercutiu em interferência no crescimento das plantas. Chuvas de 5.0 mm, ocorridas 90 minutos após a aplicação do cloreto de mepiquat, já causaram prejuízo na ação do produto no crescimento do algodoeiro, sendo o efeito maior com o aumento da quantidade de chuva simulada.

Keywords : algodão; regulador vegetal; altura de plantas.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English