SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 número2A medicalização do parto e suas conseqüências: o exemplo da França no período entre as duas guerrasVivências cotidianas de parteiras e 'experientes' do Tocantins índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Estudos Feministas

versão impressa ISSN 0104-026Xversão On-line ISSN 1806-9584

Resumo

HOMEI, Aya. Tempos modernos, novos partos e novas parteiras: o parto no Japão de 1868 aos Anos 1930. Rev. Estud. Fem. [online]. 2002, vol.10, n.2, pp.429-440. ISSN 1806-9584.  https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200012.

As shin-sanba, ou 'novas parteiras' medicalizadas, que apareceram durante o período Meiji (1868-1912) no Japão, parecem ter, aos olhos atuais, substituído rapidamente e sem conflito as 'velhas parteiras' (kyû-sanba) e as cada vez mais criminalizadas 'parteiras não licenciadas' (mumenkyo-sanba), enquanto a profissão de parteira foi se desenvolvendo progressivamente como profissão médica moderna. Este artigo sugere que a história das parteiras na era moderna foi mais complexa do que aquilo que se imagina atualmente. Primeiro, o surgimento e a prosperidade das shin-sanba estiveram intrinsecamente ligados às contingências do Japão moderno e ao inter-relacionamento de vários grupos de atores históricos - autoridades da higiene, sankai (ginecologistas-obstetras), outras parteiras e 'clientes'. Segundo, ao longo da era moderna, as shin-sanba não substituíram outros tipos de parteiras; na verdade, os diferentes tipos co-existiram. Por fim, a existência e o status das parteiras dependeram em grande parte de um mercado de serviços de saúde marcado pelo laissez-faire, e as realidades desse mercado muitas vezes contradiziam a retórica médica que favorecia as shin-sanba em relação a outros tipos de parteiras.

Palavras-chave : parteiras; Japão; período Meiji.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons