SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número4Colpocitologia em ambulatório de ginecologia preventiva índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Resumo

BALBI, A.L.; BARBOSA, R.A.; LIMA, M.C.P.  e  ALMEIDA, D.B. DE. Estudo comparativo das complicações terapêuticas no Lúpus Eritematoso Sistêmico e nas glomerulopatias idiopáticas. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2001, vol.47, n.4, pp.296-301. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302001000400031.

A utilização terapêutica de doses elevadas de imunossupressores pode promover diversas complicações, principalmente infecciosas. OBJETIVOS: Avaliar as complicações secundárias ao uso de corticóide e ciclofosfamida em portadores de nefropatias. MÉTODOS: Foram estudados retrospectivamente 76 pacientes atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu ¾ UNESP, sendo divididos em três grupos: G1= Lúpus Eritematoso Sistêmico sem lesão renal (n=15); G2= nefrite lúpica (n=33) e G3= síndrome nefrótica por glomerulopatia idiopática (n=28). RESULTADOS: Não houve diferença em relação ao tempo de acompanhamento (G1= 42,4 ± 51, G2= 52,3 ± 51, G3= 41,8 ± 47,8 meses), dose total de corticóide utilizada (G1= 20, G2= 28, G3= 16 gramas) e tempo de uso da droga (G1= 20, G2= 26, G3= 14,5 meses). Quanto ao uso de ciclofosfamida, não houve diferença na percentagem de pacientes que a utilizaram (13% no G1, 51% no G2, 28% no G3), porém pacientes do G1 receberam dose total menor que G2 (mediana de zero e um grama, respectivamente ¾ p<0.05). Aspecto cushingóide, manifestações gástricas, distúrbios comportamentais, diabetes mellitus e alterações oculares ocorreram nos três grupos, sem diferença estatística. Quanto às complicações infecciosas, aquelas consideradas clinicamente mais graves, foram mais freqüentes no G2 (G1= 6%, G2= 15%, G3= 0% - p<0.05), o mesmo ocorrendo em relação aos óbitos (7% no G1, 30% no G2, 0% no G3 ¾ p<0.05). CONCLUSÕES: Pacientes portadores de nefrite lúpica apresentaram maior freqüência de complicações infecciosas decorrentes da imunossupressão prolongada, o que pode representar um marcador de gravidade deste tipo de lesão.

Palavras-chave : Lúpus eritematoso sistêmico; Nefrite lúpica; Glomerulopatia idiopática; Imunossupressão; Complicações.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons