SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49 issue4Prevalence of immunological markers (Anti-GAD and Anti-IA2) in first-degree relatives of patients with type 1 diabetes in Great São Paulo CityTreatment of recurrent hemorrhage esophageal varices in schistosomotic patients after surgery author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230

Abstract

HERRMANN, Viviane et al. Eletroestimulação transvaginal do assoalho pélvico no tratamento da incontinência urinária de esforço: avaliações clínica e ultra-sonográfica. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2003, vol.49, n.4, pp. 401-405. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000400031.

OBJETIVO: Verificar o efeito da eletroestimulação transvaginal no tratamento de mulheres com incontinência urinária de esforço (IUE) adequadamente selecionadas. MÉTODOS: Vinte e duas mulheres com IUE, diagnosticadas através de estudo urodinâmico, foram submetidas à eletroestimulação transvaginal do assoalho pélvico. A média das idades foi de 49 anos (22 a 74 anos). Foram realizadas duas sessões semanais, com duração de 20 minutos cada, durante oito semanas. Todas as mulheres foram avaliadas por anamnese, exames clínico e uroginecológico, registro semanal dos episódios de perda urinária, teste de esforço e ultra-sonografia transperineal antes e após o tratamento. Os parâmetros elétricos utilizados foram: pulso de 700 microssegundos, freqüência de 50 Hertz e intensidade com variação entre 12 e 53 miliamperes, de acordo com a sensibilidade da mulher. RESULTADOS: Consideraram-se satisfeitas com a eletroestimulação 18 mulheres (81,7%), havendo redução significativa do número de perdas urinárias (p<0,01). O teste de esforço foi negativo em 77,2% das mulheres após o tratamento. A pressão de perda sob esforço aumentou em 14 mulheres (64%), não alcançando, entretanto, valor com significância estatística (p = 0,37). A avaliação ultra-sonográfica não demonstrou diferença significativa na mobilidade do colo vesical antes e após as sessões de eletroestimulação (p = 0,30). CONCLUSÃO: A eletroestimulação transvaginal do assoalho pélvico representou uma alternativa terapêutica efetiva e segura às mulheres com IUE sem defeito esfincteriano, com diminuição significativa dos episódios de perda urinária.

Keywords : Incontinência urinária de esforço; Eletroestimulação; Hipermobilidade do colo vesical; Ultra-sonografia transperineal.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese