SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 número3Características hematológicas e perfil de expressão de antígenos mielóides de pacientes com leucemia promielocítica aguda: análise de fatores prognósticos para o desenvolvimento da síndrome do ácido retinóicoDetecção de lesões neoplásicas induzidas em mucosa oral de hamster utilizando espectroscopia de fluorescência índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Resumo

MORAES, Ana Julia Pantoja et al. Aspectos da gravidez e pós-parto de adolescentes portadoras de febre reumática. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2004, vol.50, n.3, pp.293-296. ISSN 1806-9282.  https://doi.org/10.1590/S0104-42302004000300037.

OBJETIVO: Avaliar a incidência e evolução de gravidez entre adolescentes portadoras de febre reumática (FR) do nosso serviço. MÉTODOS: Avaliação retrospectiva de 510 prontuários de pacientes com diagnóstico de FR, no período de 1983 a 2001. RESULTADOS: Dos 510 pacientes analisados, 123 (46%) eram adolescentes femininas. Dezesseis (13%) engravidaram neste período, com um total de 19 gestações (uma apresentou duas gestações e outra três); 14 realizaram pré-natal adequadamente. A idade da primeira gestação variou de 14 a 19 anos (média 16,7); e a idade do início da atividade sexual, de 13 a 18 anos (média 15,2). Insuficiência mitral ocorreu em 15 casos, estando associada com insuficiência aórtica em cinco. Intercorrências durante o pré-natal foram observadas em duas pacientes: em uma houve recidiva da FR com Coréia e em outra infecção pelo HIV. O parto vaginal ocorreu em sete adolescentes, parto fórcipe em três e cesareana em quatro: uma com HIV, uma com gestação gemelar e duas com distocia funcional. Treze recém-nascidos foram adequados para idade gestacional e apenas os gêmeos foram prematuros. No pós-parto, uma paciente apresentou infecção na incisão cirúrgica e outra abscesso mamário. Nenhuma paciente reativou a FR no parto e pós-parto. CONCLUSÕES: As gestações não apresentaram descompensação cardíaca, com predomínio de valvulites de leve intensidade. Atividade sexual precoce e aumento da gravidez em adolescentes são realidades nos ambulatórios de reumatologia pediátrica, justificando a necessidade de uma melhor orientação em relação à sexualidade e uso de métodos anticoncepcionais na rotina do atendimento.

Palavras-chave : Febre reumática; Gravidez; Adolescência; Assistência pré-natal.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons