SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 número1Diagnóstico precoce da restrição do crescimento fetal pela estimativa ultra-sonográfica do peso fetalTabagismo e antecipação da idade da menopausa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Resumo

PAULO, Danilo Nagib Salomão et al. Viabilidade do baço de ratos após a ligadura dos vasos esplênicos: efeito do tratamento com oxigênio hiperbárico. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2005, vol.51, n.1, pp.46-50. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302005000100019.

OBJETIVO: Verificar o efeito da ligadura dos vasos esplênicos principais no baço de ratos e a influência do tratamento com o oxigênio hiperbárico após a ligadura. MÉTODOS: Foram operados 69 ratos Wistar, machos, de 285g a 375 g. Os animais foram divididos aleatoriamente em três grupos: grupo 1: quatro ratos, simulação; grupo 2: 34 ratos, ligadura simultânea da artéria e veia esplênica; grupo 3: 31 ratos, ligadura da artéria e veia esplênica seguida de oxigenioterapia hiperbárica no pós-operatório por 11 dias, sendo mortos no 12º dia. O baço era retirado e incluído em parafina para estudo microscópico. RESULTADOS: O baço era normal em 8,82% e 45,16%, respectivamente, no grupo que sofreu a ligadura vascular sem ou com oxigenioterapia hiperbárica (p= 0,01). O percentual de massa viável do tecido esplênico nos baços que infartaram em relação ao percentual da massa corporal dos animais não diferiu entre os grupos 2 e 3. O aspecto histopatológico mostrou arquitetura preservada na porção não infartada nos dois grupos e neoformação conjuntivo-vascular cicatricial mais acentuada no grupo que recebeu oxigênio hiperbárico. CONCLUSÕES: O tratamento com oxigênio hiperbárico, a partir do pós-operatório imediato, após a ligadura simultânea da artéria e da veia esplênicas, reduziu significativamente a freqüência dos infartos, mas não alterou o percentual de massa viável dos baços, quando o infarto ocorreu, e acelerou o processo de cicatrização, com aumento da proliferação de fibroblastos e da neoformação vascular.

Palavras-chave : Radiobiologia; Baço; Infarto do baço; Ratos de laboratório.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons