SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 número2Parâmetros da urofluxometria e do estudo fluxo/pressão em pacientes uroginecológicasRelação entre incontinência urinária em mulheres atletas corredoras de longa distância e distúrbio alimentar índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Resumo

FANG, Chia Bin; CANDELARIA, Paulo de Azeredo Passos; KLUG, Wilmar Artur  e  CAPELHUCHNIK, Peretz. Resultados de tratamento do prolapso retal pela técnica de delorme e de retopexia. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2008, vol.54, n.2, pp.142-145. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302008000200017.

OBJETIVO: A retopexia é a técnica preferencial para tratamento do prolapso retal e as técnicas perineais são reservadas para os idosos com comorbidades. A técnica de Delorme tem sido indicada para essa situação por ser a cirurgia de menor porte, entretanto pode apresentar maior índice de recidiva. Analisamos os resultados da correção do Prolapso retal pela técnica de Delorme e de retopexia. MÉTODOS: Estudo retrospectivo de 31 doentes portadores de prolapso retal tratado entre 1997 a 2005, sendo 15 doentes (grupo A) tratados pela técnica de retopexia e 16 doentes tratadas pela técnica de Delorme (grupo B). Foram comparados os dois grupos: tempo de permanência hospitalar, morbidade, complicações cirúrgicas e taxa de recidiva. RESULTADOS: Houve maior tempo de permanência, sete dias (3 a 11 dias) no grupo A e quatro dias (2 a 6 dias) no grupo B. A taxa de recidiva foi semelhante, respectivamente 13,3% e 6,6% (diferença não significante). A maioria dos doentes permanece com esfíncteres hipotônicos apresentando baixa pressão de repouso e contração, porém a metade deles ficou continente após a cirurgia (grupo A=53% e grupo B=50%). A morbidade foi 40% e 18,9%, respectivamente para grupo A e B. Houve um caso de hemorragia sacral (grupo A) que foi controlada no ato cirúrgico e um caso de sangramento no grupo B que não necessitou de reintervenção. Houve uma estenose no grupo B que foi tratada com dilatação digital no ambulatório. CONCLUSÃO: A técnica de Delorme para tratamento do prolapso retal apresenta a eficácia comparável à técnica da retopexia, porém com menor morbidade, podendo ser indicada com maior freqüência.

Palavras-chave : Prolapso retal; Cirurgia colorretal; Estudos retrospectivos; Resultado de tratamento.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons