SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.62 número4Aspectos de imagem na mastite granulomatosa idiopática – Relato de casoPrevalência de fungemia em um hospital terciário: análise da última década índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Resumo

ROLDI, Mariana da Silva  e  MORITZ, Rachel Duarte. Avaliação dos sintomas e tratamento prescrito a pacientes internados. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2016, vol.62, n.4, pp.307-314. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/1806-9282.62.04.307.

Objetivo:

avaliação da presença de sintomas e adequabilidade do tratamento nos pacientes internados nas enfermarias clínicas do Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (HU-UFSC). Verificação dos pacientes elegíveis para cuidados paliativos (CP).

Método:

estudo de coorte prospectivo que avaliou pacientes nas primeiras 48 horas da internação (D1) e após 48 horas (D2). No D1, foram aplicadas escalas de performance paliativa e de avaliação dos sintomas (PPS/ESAS). Também verificou-se o tratamento estabelecido para o controle dos sintomas detectados. No D2, a ESAS foi reaplicada, sendo revisada a prescrição médica. Quando constatada a presença de sintomas graves, o médico assistente foi informado. Foram elegíveis para a priorização de CP os pacientes que apresentaram PPS≤60. Para a análise estatística, foram utilizados os testes T de Student e χ2.

Resultados:

foram estudados 168 pacientes, dos quais 26,8% tinham uma PPS≤60. CP foram descritos em um prontuário. Os doentes com sintomas leves referiram piora significante na segunda avaliação, destacando-se piora da dor (32,3%) e do bem-estar (49,3%). Os sintomas considerados graves apresentaram melhora significante. Não houve controle da dor relatada como moderada. As prescrições para o controle da dor eram predominantemente “se necessário”, prevalecendo o uso de analgésicos não opioides e opioides fracos. O médico assistente foi informado sobre 116 (69%) pacientes com ESAS≥4.

Conclusão:

o controle dos sintomas, principalmente os leves, foi insatisfatório. A prescrição médica foi inadequada para o controle da dor e inexistente para alguns sintomas referidos. Não houve priorização adequada dos CP. Há necessidade de otimização e divulgação dos CP entre profissionais da saúde.

Palavras-chave : cuidados paliativos; avaliação de sintomas; escalas; dor.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )