SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.64 número10The artery of Mouchet: blood supply of the septomarginal trabecula in 50 human heartsDetection of intracellular Helicobacter pylori in Candida. SPP from neonate oral swabs índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Associação Médica Brasileira

versão impressa ISSN 0104-4230versão On-line ISSN 1806-9282

Resumo

SCOTTINI, Maria Aparecida; MORITZ, Rachel Duarte  e  SIQUEIRA, José Eduardo de. Cognition, functionality and symptoms in patients under home palliative care. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2018, vol.64, n.10, pp.922-927. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/1806-9282.64.10.922.

OBJETIVO:

Avaliar o grau de cognição, a funcionalidade, a presença de sintomas e as medicações prescritas para pacientes sob cuidados paliativos (CP) domiciliares.

MÉTODO:

Estudo transversal, descritivo, em que foram entrevistados 55 pacientes sob CP domiciliares. A cognição foi avaliada pelo miniexame do estado mental (MM), sendo os pacientes separados em dois grupos: com capacidade cognitiva preservada (MM>24) ou alterada (MM<24). A funcionalidade foi verificada pela performance paliativa (PPS), sendo os pacientes divididos em dois grupos: PPS<50 e PPS>60. A presença de sintomas foi analisada pelo ESAS, sendo considerados sintomas leves (ESAS 1-3), moderados (ESAS 4-6) ou graves (ESAS 7-10). Foram anotadas as medicações prescritas para o controle dos sintomas. Para análise estatística, foi utilizado teste t student's (p<0,05).

RESULTADOS:

Dos 55 pacientes entrevistados, a maioria era de mulheres (63,6%), 70,9% tinham MM>24, 83,6% tinham PPS<50 e 78,2% apresentavam doença crónica degenerativa não neoplásica. Houve relação significante entre PPS<50 e MM<24. Sintomas estavam presentes em 98% dos doentes. Astenia foi mais frequentemente apontada, não sendo tratada em 67% dos casos. Dor grave estava presente em 27,3%: 46% sem medicação e 13% com medicação se necessário. A maioria dos pacientes com dispneia grave usava oxigênio.

CONCLUSÃO:

A maioria dos pacientes tinha cognição preservada, apresentava baixa funcionalidade e referia a presença de sintomas. Dor grave estava presente em quase 1/3 dos pacientes, não lhes sendo prescrito tratamento eficaz. Sugere-se que sejam reavaliados os CP domiciliares com o objetivo da otimização da qualidade da vida dos pacientes.

Palavras-chave : Cuidados paliativos; Avaliação de sintomas; Dor; Assistência domiciliar.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )