SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.65 issue5Neurophysiological, cognitive-behavioral and neurochemical effects in practitioners of transcendental meditation - A literature reviewNational scientific production on Burnout Syndrome in ICU nurses and physicians: a bibliometric study author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Associação Médica Brasileira

Print version ISSN 0104-4230On-line version ISSN 1806-9282

Abstract

KREMER, Thaysa Guglieri; GHIORZI, Isadora Bueloni  and  DIBI, Raquel Papandreus. Isthmocele: an overview of diagnosis and treatment. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. 2019, vol.65, n.5, pp.714-721.  Epub June 03, 2019. ISSN 0104-4230.  http://dx.doi.org/10.1590/1806-9282.65.5.714.

A istmocele ou nicho uterino é representada por uma descontinuidade miometrial ou um defeito anecoico triangular na parede uterina anterior, com a base se comunicando com a cavidade uterina no local de uma cicatriz anterior de cesárea. O defeito pode ser classificado como pequeno ou grande, dependendo da espessura da parede miometrial deficiente. Embora geralmente assintomático, seu principal sintoma é o sangramento uterino anormal ou pós-menstrual; a dor pélvica crônica também pode ocorrer. Infertilidade, placenta acreta ou prévia, deiscência de cicatriz, ruptura uterina e gravidez ectópica em cicatriz de cesárea prévia também podem aparecer como complicações dessa condição. Os fatores de risco para desenvolvimento da istmocele comprovados até o momento incluem útero retroverso e múltiplas cesarianas. No entanto, fatores como localização mais inferior de uma cesárea prévia, fechamento incompleto da histerotomia, aderências precoces na parede uterina e predisposição genética também podem contribuir para o desenvolvimento de um nicho. Como não existem critérios definitivos para o diagnóstico de uma istmocele, vários métodos de imagem podem ser usados para avaliar a integridade da parede uterina e, assim, diagnosticar uma istmocele. Entretanto, ultrassonografia transvaginal e sono-histerografia com infusão salina surgem como métodos específicos, sensíveis e custo-efetivos para o diagnóstico de istmocele. O tratamento inclui manejo clínico ou cirúrgico, dependendo do tamanho do defeito, da presença de sintomas, da presença de infertilidade secundária e de planos de gravidez. O manejo cirúrgico inclui abordagens minimamente invasivas como histeroscopia, laparoscopia ou transvaginal, de acordo com o tamanho do defeito.

Keywords : Cesárea; Histeroscopia; Laparoscopia; Sangramento uterino.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )