SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número32Novas lideranças sul-americanas: clivagens sobre o binômio estabilidade-instabilidade políticaPara além de uma "cidadania à brasileira": uma consideração crítica da produção sociológica nacional índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Sociologia e Política

versão impressa ISSN 0104-4478versão On-line ISSN 1678-9873

Resumo

GRIMBERG, Mabel. Poder, políticas y vida cotidiana un estudio antropológico sobre protesta y resistencia social en el área metropolitana de Buenos Aires. Rev. Sociol. Polit. [online]. 2009, vol.17, n.32, pp.83-94. ISSN 0104-4478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782009000100006.

O artigo trata dos processos de protesto e resistência social na Argentina, a partir dos resultados de umestudo etnográfico sobre vulnerabilidade social e politização da vida cotidiana na Área Metropolitana de Buenos Aires. A pesquisa realizou-se entre 1995 e 2005 e tratou de desemprego, violência, uso de drogas e HIV-aids, por meio da análise das articulações entre as formas de padecimento e de sofrimento social e as estratégias individuais e coletivas de proteção, resistência e protesto de conjuntos subalternos residentes no cordão Sul da cidade de Buenos Aires (San Telmo, Boca, Barracas, Lugano), nas partes de Avellaneda (Dock Sur e Torres de Wilde) e La Matanza (Província de Buenos Aires). A partir de 2001 o estudo concentrouse na etnografia da formação, das modalidades de ação e do cotidiano de agrupamentos de desocupados, empresas recuperadas e assembléias de bairro. A partir de um enfoque da Antropologia Política que se centra nos processos de construção social da hegemonia e em conceitos como "tradição", "experiência" e "transação", propomos em primeiro lugar que os processos de protesto e de resistência social devem ser compreendidos em suas múltiplas articulações e entender-se em seu duplo caráter de processos históricos e de experiências de vida, que incluem sujeitos e coletividades. Sua abordagem, portanto, deve focalizar as tensões e as contradições desses entrecruzamentos. Em segundo lugar, sugerimos ressituá-los nos espaços de construção de práticas e sujeitos nos marcos mais amplos das relações de hegemonia; em particular, ponderar as experiências e as modalidades históricas de organização, dos processos da vida cotidiana e os sentidos que os protagonistas concedem às suas práticas.

Palavras-chave : protestos sociais; hegemonia; desigualdade social; vida cotidiana; Etnografia.

        · resumo em Francês     · texto em Espanhol     · Espanhol ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons