SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número3Função motora fina de escolares com dislexia, distúrbio e dificuldades de aprendizagemFenótipo comportamental e cognitivo de crianças e adolescentes com Síndrome de Williams-Beuren índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Pró-Fono Revista de Atualização Científica

versão impressa ISSN 0104-5687

Resumo

OLIVEIRA, Ecila Paula dos Mesquita de et al. Avaliação do desempenho escolar e praxias em crianças com Epilepsia Rolândica. Pró-Fono R. Atual. Cient. [online]. 2010, vol.22, n.3, pp. 209-214. ISSN 0104-5687.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-56872010000300009.

TEMA: Epilepsia Rolândica é a forma mais freqüente de epilepsia da infância. Ela é classificada como idiopática, idade-dependente e de evolução benigna. A ausência de comprometimento neuropsicológico faz parte dos critérios de benignidade desta síndrome epiléptica.Entretanto, recentemente têm sido sugeridos vários déficits relacionados à atenção e linguagem. OBJETIVO: o objetivo desse trabalho foi avaliar o desempenho escolar e investigar dificuldades práxicas em pacientes com epilepsia rolândica e comparar a um grupo controle composto por crianças normais com idade, gênero e nível escolar equivalentes. MÉTODO: dezenove pacientes com idade entre 7 e 12 anos foram submetidos a avaliação neurológica clínica, avaliação psicológica, através das Escalas Weschsler de Inteligência e avaliação fonoaudiológica, onde foram avaliados o desempenho escolar e a investigação da presença ou não de dificuldades práxicas. RESULTADOS: os dados mostraram que apesar da eficiência intelectual (medida pelo Quociente Inteligência - QI) estar dentro da média, crianças com epilepsia rolândica mostraram um desempenho significativamente mais pobre do que o grupo controle em provas de escrita, aritmética e leitura. Outro aspecto importante evidenciado foi a ausência de apraxia orofacial nas crianças do grupo afetado. CONCLUSÃO: deve ser ressaltado que a avaliação de crianças com epilepsia é necessária porque isso pode revelar distúrbios específicos que exigem ajuda profissional apropriada. Analisando a ocorrência de distúrbios de linguagem oral e/ou escrita nessas crianças, pode-se evitar um maior prejuízo acadêmico, social e emocional, afinal o prognóstico de uma síndrome epiléptica não depende exclusivamente do controle de crises, pois problemas sociais ou culturais podem interferir tanto quanto as crises na qualidade de vida dos pacientes.

Palavras-chave : Epilepsia; Linguagem; Criança; Apraxia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · pdf em Português | Inglês