SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue23A pós-modernização da cultura: património e museus na contemporaneidadeGoiás: a invenção da cidade "Patrimônio da Humanidade" author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Horizontes Antropológicos

Print version ISSN 0104-7183

Abstract

NEDEL, Letícia Borges. Breviário de um museu mutante. Horiz. antropol. [online]. 2005, vol.11, n.23, pp. 71-86. ISSN 0104-7183.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832005000100006.

O artigo aborda a implantação de um aparato burocrático de gestão da cultura no Rio Grande do Sul, privilegiando a trajetória do Museu Julio de Castilhos, primeiro museu criado na capital, em 1903. A análise recai sobre os fatores que condicionaram o afastamento da referência naturalista inicial, inspirada no modelo de funcionamento dos museus etnográficos do início do século passado, em direção à adoção de uma perspectiva regionalista de reconstrução do passado, assumida oficialmente no regimento de 1954. Entre 1952 e 1958, sob a direção do historiador e folclorista Dante de Laytano, o museu torna-se trincheira de sócios dissidentes do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRS) e núcleo de arregimentação da Comissão Gaúcha de Folclore, representante oficial da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro no estado. Nesse momento ele passa a concorrer na partilha institucional do governo com os tradicionalistas, agrupados em torno do Instituto de Tradições e Folclore, criado em 1954.

Keywords : folclore; memória; regionalismo; Rio Grande do Sul.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese