SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 issue3Characterization of a semideciduous forest in Varginha, MG. And comparison with remaining forest fragments in the regionContributions to the deployment of furniture in pole Central Region Tocantins author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

CERNE

Print version ISSN 0104-7760

Abstract

PEREIRA, José Fernando; BATISTA, Antonio Carlos  and  SOARES, Ronaldo Viana. Variação da umidade do material combustível florestal em função de índices de perigo de incêndios. CERNE [online]. 2012, vol.18, n.3, pp. 371-376. ISSN 0104-7760.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602012000300003.

Esta pesquisa foi realizada em plantios de Pinus elliotii localizados na Estação Florestal Experimental de Rio Negro-Paraná, pertencente à Universidade Federal do Paraná com os objetivos de analisar as correlações entre a umidade dos combustíveis florestais finos e os índices de perigo de incêndios FMA e FMA+ e desenvolver modelos para estimar a umidade dos materiais combustíveis baseados nesses índices. As variáveis meteorológicas utilizadas na pesquisa foram obtidas junto à estação meteorológica do Instituto SIMEPAR e de um pluviógrafo e de um termohigrógrafo instalados na área do experimento. Os combustíveis florestais foram coletados em parcelas de 30 cm x 30 cm, classificados por diâmetro (< 0,7 cm Ø - A e de 0,7 a 2,5 cm Ø - B) e em função da posição na manta (camada superficial - AA, intermediária - AB e inferior - AC). A espessura da manta formada pelos combustíveis acamados sobre o piso florestal variou entre 14,8 e 15,3 cm. A quantidade total de material combustível variou entre 3185,50 e 4266,01 g.m-2. Os índices de perigo de incêndios FMA e FMA+ foram calculados diariamente e os valores obtidos nos dias das coletas dos combustíveis foram usados para as análises de correlações e ajustes das funções estimativas. Os coeficientes de correlação entre umidade relativa e classes de combustível foram 0,42; 0,36; 0,32 e 0,41 para o AA, AB, AC, e as classes B, respectivamente. Os coeficientes de correlação entre a precipitação e as classes de combustível foram 0,57; 0,38; 0,34; e 0,15 para o AA, AB, AC e as classes B, respectivamente. Os coeficientes de correlação entre as classes de combustível eo + FMA foram -0,53; -0,56; -0,63; e 0,81 para o B classes, AB, AA, e AC, respectivamente. O + FMA foi a variável mais eficiente no desenvolvimento de modelagem para estimar a umidade de combustível morto. A umidade dos materiais combustíveis finos apresentou correlações estatisticamente significativas com as variáveis umidade relativa do ar e precipitação e com os índices de perigo de incêndios FMA e FMA+. No desenvolvimento dos modelos para a estimativa de umidade dos materiais a variável mais importante observada nos ajustes foi o FMA+.

Keywords : Fórmula de Monte Alegre; Fórmula de Monte Alegre alterada; prevenção de incêndios florestais.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese